Tema Livre para Kumo: Inazuma

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Tema Livre para Kumo: Inazuma

Mensagem por O Criador em Dom Jun 09, 2013 10:04 pm

INAZUMA
(Fulgor do Relâmpago)


Este estilo pode ser adotado apenas por aqueles que viajam até o Templo Branco (Kiraso) no País do Trovão. Não sabe a história se o nintaijutsu dos Yotsuki foi baseado nele, derivou de um ramo de seus usuários, surgiu paralelo a ele por estudo dos mesmos princípios ou ambos possuem a mesma fonte, mas os documentos que existem registram o Inazuma como mais antigo, e assim tem sido considerado até hoje.


As principais diferenças para o hijutsu dos Yotsuki são a forma de aquisição e o foco no uso do Raiton. Para se chegar a Kiraso, o candidato a aprendiz passa por perigos mortais, à altura de uma Missão de Rank B. Além disso os monges podem se recusar a transmitir o método a alguém, e se forem forçados eles matam o candidato e jogam seu corpo queimado das montanhas. Ossos esbranquecidos jazem em meio à neve nas alturas, como um lembrete... os monges também não apreciam a "impureza", e o que é isso é algo que o Time Kame logo descobrirá.

E quanto ao foco, os monges treinam para não depender da velocidade. Inazuma é um estilo marcial feito para se refletir, como nas práticas espirituais deles, na "destruição que ensina como todas as coisas são passageiras", portanto ele é mais poderoso que o estilo Yotsuki para causar dano direto e puro, além de não precisar que o usuário se mova tanto. No final das contas, entre velocidade e poder bruto, quem venceria em um duelo de praticantes seria determinado pelo mérito individual.

Como estilo de luta, pode ser adotado como Tema ou Signature Move, substituindo um já escolhido caso o aprendiz renuncie aos seus métodos shinobis anteriores. É uma exceção à regra (como nas disciplinas orientais de meditação, há sempre renúncia de algo nem que seja posses materiais em busca da iluminação, daí a exceção).

Mecânica


Inazuma consiste em um treinamento de três etapas, supondo que o aluno aceito saiba converter seu chakra em energia elétrica. A primeira é percepção da natureza do mundo, que como um clarão de relâmpago está sempre se destruindo, renovando e transformando, então mesmo as montanhas ao redor de Kiraso não durarão para sempre, igual a tudo abaixo do céu. Esta etapa envolve meditação e, caso seja necessário, treino em Controle de Chakra (o PEV que rege o estilo)

Segundo, o aluno treinará estudando sob a inspiração dos mestres e do elemento raio (Raiton), a harmonizar seu corpo e sentidos com os pulsos elétricos da "pequena tempestade" que habita seu corpo (sinapses cerebrais e impulsos elétricos nos nervos). Esta etapa pode ser a mais longa, a menos que o aluno tenha um talento natural para manusear seu corpo e corpos alheios, e se desenvolvem as técnicas mais básicas.

Por fim, o agora praticante aprende as técnicas de maior calibre, que fazem a fama do estilo. E vencer o maior desafio: sobreviver a um relâmpago natural, para merecer o ougi (técnica suprema) do Inazuma.

Cabe descrever que como todo o processo é feito por Controle de Chakra, sem selos, nenhuma técnica copista visual como o Sharingan pode decodificar o processo usado pelos jutsus Inazuma (é também considerado hijutsu, ou seja, sem preparação não funciona); e o perfil dos estudantes varia de praticantes musculosos, a franzinos sem muita força física aparente, altos e baixos, sem um padrão fixo.

Além destas técnicas, todo monge costuma desenvolver um jutsu próprio envolvendo as cenas do estilo, o que equivale a dizer que cada um possui um método pessoal de desenvolver a iluminação pela destruição, ou apenas destruir invasores.

Técnica básica (primeira a ser aprendida, caso Inazuma seja adotado como Signature torna-se a técnica base das demais a seguir):

Zanshin
Mente Remanescente
Rank: D~A

Zanshin é um termo que aparece em artes marciais de nosso mundo como um estado de atenção, mas uma atenção relaxada, sem tensão. No ninjutsu real, é um corpo de técnicas destinado a lutar sem auxílio da luz, nas trevas. O Zanshin do Inazuma combina ambos os conceitos em um só.

É uma técnica que se desenvolve quanto mais o praticante treina seu Controle de Chakra (iniciando com nível 3 para Rank D, e terminando com nível 12 no PEV para Rank A, como normal). Ela consiste em ampliar com chakra a capacidade cerebral, utilizando áreas do córtex que não são empregadas no dia a dia, obtendo uma "claridade" de maior percepção e uso dos demais sentidos como uma orquestra harmônica e bem afinada, ao invés de sinais separados onde o ser humano se concentra no que mais estimulante está sendo, um som alto, uma cor viva, odor forte, frio etc.


  • No Rank D, Zanshin concede um bônus singular enquanto está ativo em todas as situações de combate que dependam da reação, ou seja, defensivas: esquivas, bloqueio, salto atrás de cobertura, etc. Este bônus é interpretativo, como o da percepção do Sharingan, todavia os estímulos são multi sensoriais (visão, audição, olfato, paladar, tato e sexto sentido, os seis sentidos).
  • No Rank C, Zanshin aumenta enquanto está ativo a percepção para o nível sensório de animais, que perdemos em nossa evolução. Apenas por um sentido por vez (que deve ser declarado no início de cada post): a visão se aguça como das águias, a audição como das panteras, o olfato/paladar como de lobos, o tato como de formigas e por aí vai. Se o sexto sentido for ampliado, o usuário pode ler a tensão muscular nas pessoas ao redor e adivinhar suas reais emoções, prever início de um movimento de combate e a orientação de um ataque que dependa da mira dos olhos ou músculos alheios, além do bônus no nível anterior
  • No Rank B, Zanshin consegue competir com a percepção da velocidade dos Yotsuki: a atenção dos seis sentidos se torna muito aguçada, podendo acompanhar técnicas de aceleração. Alterações de sentidos como alucinações, sonhos e genjutsus que mudem a forma de algo, são discriminados porque não possuem o movimento muscular correto. O personagem pode ler lábios e mesmo ouvir algo captando as vibrações pelo solo ou parede a vários metros de distância (sentido sísmico). Todo Raiton tem dano diminuído em um rank contra o usuário ativando este nível, porque a eletricidade em seu sistema já ocupa espaço em áreas condutivas
  • No Rank A, Zanshin concede enfim a Percepção Zen de tudo. Todos os sentidos operam em grau máximo e sem distrações, ao ponto do personagem poder optar por Controle de Chakra no lugar de Velocidade para reagir defensivamente, além do bônus dos níveis anteriores. O personagem pode também, naturalmente e sem usar o jutsu, apenas com um "feeling" sentir se outras pessoas possuem chakra forte, fraco, esgotado por fadiga, ou energias diferentes circundantes em seu sistema, como doenças de chakra e alterações corpóreas - não funciona como um sensor de chakra remoto porque depende dos sentidos, mas é bastante preciso.


O custo de manutenção é de 1 ponto de chakra no Nível D, 2 pontos nos níveis C e B e 3 pontos por post no nível A, não redutível. Ativar Zanshin outra vez no mesmo dia, contudo, beneficia uma redução no valor inicial de custo, por uma facilidade de usar as conexões já estimuladas em vinte e quatro horas: reduza em 1 de chakra o custo inicial por Rank (nunca abaixo do mínimo para aquele rank).

Miezarute
Mão Invisível
Rank: C

Técnica que os monges usam para tocar sinos à distância, como parte de seu treino, para não se distanciarem das coisas materiais tanto, apenas por serem transitórias, que esqueçam que ainda são parte deste mundo. Conforme avança o treinamento usando energia elétrica para alcançar objetos distantes, pode-se manipulá-los e mesmo golpear sem se aproximar de algo. Alguns monges usam a técnica até como base no lugar de varas para se impulsionar em saltos entre as montanhas.

A imagem é de uma linha elétrica não muito diferente das linhas dos manipuladores de marionete. Contudo é muito forte e resistente: armas condutoras de chakra não a cortam, como fariam com linhas de titeriteiros, apenas chakra Fuuton. O usuário pode mover objetos com Velocidade igual ao seu Controle de Chakra, e Força igual a 1/2 deste PEV, e 1 objeto por 5 pontos completos de Controle de Chakra; pode também realizar golpes (em uma quantidade igual ao número de objetos que controlaria) com estes mesmos valores, e até desviar objetos físicos, técnicas Doton e Raiton, acoplando a eletricidade em sua estrutura e guiando-a em outra direção. Técnicas só podem ser assim desviadas se o Controle de Chakra for maior do que daquele que ataca com um jutsu.

O custo de manutenção da linha elétrica (e divisões dela, no caso de mover ou golpear mais de um objeto) é de 1 ponto de chakra + 1 por objeto ou alvo extra.

Tennenkoushin
Regeneração Natural
Rank: C+

Os monges se ferem em seus treinos, e isto é uma realidade. Longe de meios para se abastecer com mantimentos como remédios, eles buscaram com os séculos formas de minimizar trauma, usando a relação biológica entre estímulos elétricos e o feedback que eles causam em tecidos vivos. O usuário precisa sentar em seiza (postura zen de ficar sentado com as pernas dobradas para trás, respirando tranquilamento) e ativa a técnica, que começa a varrer seu corpo atrás de desarmonia (danos). Ela reduz sangramento, recupera fadiga, acalma perturbação nervosa, combate febre e diminui intoxicações, e ainda restaura alguns danos menores e moderados optimizando o corpo para suportar aquela carga de ferimentos.
Note que, a despeito do nome bonito, ferimentos não são fechados nem ossos partidos voltam ao lugar. O corpo aprende a se virar com o que tem - uma habilidade usada de forma amorosa pelas mães em locais com pouca comida, por exemplo, que mesmo sem controlar o corpo este usa o máximo que tem para produzir leite materno de qualidade para o bebê, tirando até das reservas da mãe. Nesta situação, chakra Raiton usado de forma positiva amortece o impacto dos danos.
A técnica pode ser usada para remover paralisia corporal de qualquer fonte, "empurrando" com chakra fontes de chakra em técnicas que causem estagnação muscular.

Jo Tsuyu Mata Jo Den
Assim como o Orvalho, Assim como o Raio
Rank: B

Com nome derivada de uma prática de meditação que reconhece que tudo dura muito pouco como está, sempre mudando e se destruindo, envolve o usuário canalizar chakra Raiton ao redor de um dos seus membros em uma densidade que parece sólida, quase fazendo o membro desaparecer dentro da claridade. Um golpe realizado por este membro usa Controle de Chakra naquele post no lugar de força, podendo tranquilamente quebrar paredes, abrir um buraco em uma pessoa e derrubar ogros demoníacos (oni), como na lenda do monge do Templo Branco que ficou preso em uma caverna por um monstro, e aprendeu a técnica para abrir caminho pela barriga dele. Contudo, o alcance é curto (mais curto até que o Chidori, de mesmo rank, porque não estende para além do membro).

Houden Kan
Chamado do Relâmpago do Dharma
Rank: B

Esta técnica só pode ser usada em três situações: em uma grande altura, como nas montanhas onde está o Templo Branco (ou seja, dentro dele os monges podem sempre utilizá-la); em um dia nublado com bastante umidade, ou chovendo; perto de grandes estruturas de metal, com eletricidade estática abundante (e neste último caso, precisa tocar no metal para criar uma ligação entre o campo de energia e seu corpo). O usuário então atrai energia elétrica ambiente e canaliza por dois dedos levantados, depois move na direção do seu alvo e a descarga parte, para fulminá-lo. A vantagem da técnica é que ela é uma descarga mais duradoura, desde que o usuário mantenha-se parado e sob as condições ideais de uso, e no próximo post ela volta a atacar, tendo ou não atingido seu alvo original. O segundo curso do raio não pode, porém, mudar de alvo.

Daijoue
Ritual do Grande Veículo
Rank: A


Esta técnica é uma invocação da divindade guardiã do Templo Branco, o Deus do Trovão de Três Olhos. A imagem acima é meramente ilustrativa; nenhum gigante vermelho com três olhos vai aparecer, é apenas uma base de meditação no treino da técnica, em que o monge torna-se um veículo para as qualidades do guardião, tornando-se ele o guardião.

É o equivalente à Raiton no Yoroi dos Yotsuki: o monge carrega-se com eletricidade que estimula seus músculos e reveste a pele, aumentando em 3 pontos seus PEVs de Força e Resistência, e todo dano não derivado de Fuuton é reduzido em um rank. O custo de manutenção por post após o primeiro é igual à metade do custo de invocação da técnica (arredondado para baixo), já considerados os descontos por alto PEV. Golpes do monge tendem a ser carregados de eletricidade, a menos que ele se concentre em usar apenas força comum amplificada.

Se Jo Tsuyu Mata Jo Den (Assim como o Orvalho, Assim como o Raio) for usado durante esta técnica, a força extra da técnica é permutada em eletricidade, e o dano do golpe se torna de Controle de Chakra + 3.

Koubyaku
Branco Reluzente
Rank: S

Ougi (técnica suprema, oculta) dos monges do Templo Branco, aqueles que a testemunham dizem que viram só "um clarão branco" antes do inimigo ser arremessado da montanha, com um estrondo acompanhando. O monge cria duas correntes poderosas, uma em cada braço, e quando bate palmas um ataque elétrico em grande velocidade seguido de um rompimento da velocidade do som parte contra o oponente. O ataque em si equivale ao dano de uma técnica Rank A, de menor efeito; contudo, o estrondo sônico garante que se o alvo não saiu da área em que a eletricidade disparou e esquivou, permanecendo próximo ao ponto, ou defendeu-se com algum obstáculo ou barreira, ainda sim é arrancado no lugar pelo "sonic boom" e lançado um metro por ponto de Controle de Chakra do usuário para trás - se ele cair de uma grande altura ou se chocar contra um obstáculo, pode ser fatal.

Existem dois relatos curiosos do Kouyaku. Um é de um monge que perdeu um dos braços com uma infecção e gangrena, e alegremente aprendeu a bater com os pés para usar o jutsu, sendo elevado ao status de mestre imediatamente por seus companheiros. O outro é que havia uma montanha perto do Templo Branco, em que invasores certa vez montaram um plano de assalto para derrubar uma prancha longa dela para a base do Kiraso, a fim de saquear o que pensavam serem tesouros valiosos. Todos os mestres do Templo Branco se reuniram e usaram este jutsu ao mesmo tempo, sobre os inimigos. A montanha hoje é uma colina rochosa muito pequena.



Código:
[quote][quote][center][color=#336666][size=18]INAZUMA[/size][/color]
(Fulgor do Relâmpago)

[img]http://illiweb.com/fa/pbucket.gif[/img][/center]

Este estilo pode ser adotado apenas por aqueles que viajam até o Templo Branco (Kiraso) no País do Trovão. Não sabe a história se o nintaijutsu dos Yotsuki foi baseado nele, derivou de um ramo de seus usuários, surgiu paralelo a ele por estudo dos mesmos princípios ou ambos possuem a mesma fonte, mas os documentos que existem registram o Inazuma como mais antigo, e assim tem sido considerado até hoje.

[center][img]http://illiweb.com/fa/pbucket.gif[/img][/center]

As principais diferenças para o hijutsu dos Yotsuki são a forma de aquisição e o foco no uso do Raiton. Para se chegar a Kiraso, o candidato a aprendiz passa por perigos mortais, à altura de uma Missão de Rank B. Além disso os monges podem se recusar a transmitir o método a alguém, e se forem forçados eles matam o candidato e jogam seu corpo queimado das montanhas. Ossos esbranquecidos jazem em meio à neve nas alturas, como um lembrete... os monges também não apreciam a "impureza", e o que é isso é algo que o Time Kame logo descobrirá.

E quanto ao foco, os monges treinam para não depender da velocidade. Inazuma é um estilo marcial feito para se refletir, como nas práticas espirituais deles, na "destruição que ensina como todas as coisas são passageiras", portanto ele é mais poderoso que o estilo Yotsuki para causar dano direto e puro, além de não precisar que o usuário se mova tanto. No final das contas, entre velocidade e poder bruto, quem venceria em um duelo de praticantes seria determinado pelo mérito individual.

Como estilo de luta, pode ser adotado como Tema ou Signature Move, substituindo um já escolhido caso o aprendiz renuncie aos seus métodos shinobis anteriores. É uma exceção à regra (como nas disciplinas orientais de meditação, há sempre renúncia de algo nem que seja posses materiais em busca da iluminação, daí a exceção).

[u]Mecânica[/u]

[center][img]http://illiweb.com/fa/pbucket.gif[/img][/center]

Inazuma consiste em um treinamento de três etapas, supondo que o aluno aceito saiba converter seu chakra em energia elétrica. A primeira é percepção da natureza do mundo, que como um clarão de relâmpago está sempre se destruindo, renovando e transformando, então mesmo as montanhas ao redor de Kiraso não durarão para sempre, igual a tudo abaixo do céu. Esta etapa envolve meditação e, caso seja necessário, treino em Controle de Chakra (o PEV que rege o estilo)

Segundo, o aluno treinará estudando sob a inspiração dos mestres e do elemento raio (Raiton), a harmonizar seu corpo e sentidos com os pulsos elétricos da "pequena tempestade" que habita seu corpo (sinapses cerebrais e impulsos elétricos nos nervos). Esta etapa pode ser a mais longa, a menos que o aluno tenha um talento natural para manusear seu corpo e corpos alheios, e se desenvolvem as técnicas mais básicas.

Por fim, o agora praticante aprende as técnicas de maior calibre, que fazem a fama do estilo. E vencer o maior desafio: sobreviver a um relâmpago natural, para merecer o ougi (técnica suprema) do Inazuma.

Cabe descrever que como todo o processo é feito por Controle de Chakra, sem selos, nenhuma técnica copista visual como o Sharingan pode decodificar o processo usado pelos jutsus Inazuma (é também considerado hijutsu, ou seja, sem preparação não funciona); e o perfil dos estudantes varia de praticantes musculosos, a franzinos sem muita força física aparente, altos e baixos, sem um padrão fixo.

Além destas técnicas, todo monge costuma desenvolver um jutsu próprio envolvendo as cenas do estilo, o que equivale a dizer que cada um possui um método pessoal de desenvolver a iluminação pela destruição, ou apenas destruir invasores.

Técnica básica (primeira a ser aprendida, caso Inazuma seja adotado como Signature torna-se a técnica base das demais a seguir):

[b][u]Zanshin[/u][/b]
[i]Mente Remanescente[/i]
[b]Rank: [color=blue]D[/color]~[color=red]A[/color][/b]

Zanshin é um termo que aparece em artes marciais de nosso mundo como um estado de atenção, mas uma atenção relaxada, sem tensão. No ninjutsu real, é um corpo de técnicas destinado a lutar sem auxílio da luz, nas trevas. O Zanshin do Inazuma combina ambos os conceitos em um só.

É uma técnica que se desenvolve quanto mais o praticante treina seu Controle de Chakra (iniciando com nível 3 para Rank D, e terminando com nível 12 no PEV para Rank A, como normal). Ela consiste em ampliar com chakra a capacidade cerebral, utilizando áreas do córtex que não são empregadas no dia a dia, obtendo uma "claridade" de maior percepção e uso dos demais sentidos como uma orquestra harmônica e bem afinada, ao invés de sinais separados onde o ser humano se concentra no que mais estimulante está sendo, um som alto, uma cor viva, odor forte, frio etc.

[list][*][b][color=blue]No Rank D[/color][/b], Zanshin concede um bônus singular enquanto está ativo em todas as situações de combate que dependam da reação, ou seja, defensivas: esquivas, bloqueio, salto atrás de cobertura, etc. Este bônus é interpretativo, como o da percepção do Sharingan, todavia os estímulos são multi sensoriais (visão, audição, olfato, paladar, tato e sexto sentido, os seis sentidos).
[*][b][color=green]No Rank C[/color][/b], Zanshin aumenta enquanto está ativo a percepção para o nível sensório de animais, que perdemos em nossa evolução. Apenas por um sentido por vez (que deve ser declarado no início de cada post): a visão se aguça como das águias, a audição como das panteras, o olfato/paladar como de lobos, o tato como de formigas e por aí vai. Se o sexto sentido for ampliado, o usuário pode ler a tensão muscular nas pessoas ao redor e adivinhar suas reais emoções, prever início de um movimento de combate e a orientação de um ataque que dependa da mira dos olhos ou músculos alheios, além do bônus no nível anterior
[*][b][color=orange]No Rank B[/color][/b], Zanshin consegue competir com a percepção da velocidade dos Yotsuki: a atenção dos seis sentidos se torna muito aguçada, podendo acompanhar técnicas de aceleração. Alterações de sentidos como alucinações, sonhos e genjutsus que mudem a forma de algo, são discriminados porque não possuem o movimento muscular correto. O personagem pode ler lábios e mesmo ouvir algo captando as vibrações pelo solo ou parede a vários metros de distância (sentido sísmico). Todo Raiton tem dano diminuído em um rank contra o usuário ativando este nível, porque a eletricidade em seu sistema já ocupa espaço em áreas condutivas
[*][b][color=red]No Rank A[/color][/b], Zanshin concede enfim a Percepção Zen de tudo. Todos os sentidos operam em grau máximo e sem distrações, ao ponto do personagem poder optar por Controle de Chakra no lugar de Velocidade para reagir defensivamente, além do bônus dos níveis anteriores. O personagem pode também, naturalmente e sem usar o jutsu, apenas com um "feeling" sentir se outras pessoas possuem chakra forte, fraco, esgotado por fadiga, ou energias diferentes circundantes em seu sistema, como doenças de chakra e alterações corpóreas - não funciona como um sensor de chakra remoto porque depende dos sentidos, mas é bastante preciso.[/list]

O custo de manutenção é de 1 ponto de chakra no Nível D, 2 pontos nos níveis C e B e 3 pontos por post no nível A, não redutível. Ativar Zanshin outra vez no mesmo dia, contudo, beneficia uma redução no valor inicial de custo, por uma facilidade de usar as conexões já estimuladas em vinte e quatro horas: reduza em 1 de chakra o custo inicial por Rank (nunca abaixo do mínimo para aquele rank).

[b][u]Miezarute[/u][/b]
[i]Mão Invisível[/i]
[b]Rank: [color=green]C[/color][/b]

Técnica que os monges usam para tocar sinos à distância, como parte de seu treino, para não se distanciarem das coisas materiais tanto, apenas por serem transitórias, que esqueçam que ainda são parte deste mundo. Conforme avança o treinamento usando energia elétrica para alcançar objetos distantes, pode-se manipulá-los e mesmo golpear sem se aproximar de algo. Alguns monges usam a técnica até como base no lugar de varas para se impulsionar em saltos entre as montanhas.

A imagem é de uma linha elétrica não muito diferente das linhas dos manipuladores de marionete. Contudo é muito forte e resistente: armas condutoras de chakra não a cortam, como fariam com linhas de titeriteiros, apenas chakra Fuuton. O usuário pode mover objetos com Velocidade igual ao seu Controle de Chakra, e Força igual a 1/2 deste PEV, e 1 objeto por 5 pontos completos de Controle de Chakra; pode também realizar golpes (em uma quantidade igual ao número de objetos que controlaria) com estes mesmos valores, e até desviar objetos físicos, técnicas Doton e Raiton, acoplando a eletricidade em sua estrutura e guiando-a em outra direção. Técnicas só podem ser assim desviadas se o Controle de Chakra for maior do que daquele que ataca com um jutsu.

O custo de manutenção da linha elétrica (e divisões dela, no caso de mover ou golpear mais de um objeto) é de 1 ponto de chakra + 1 por objeto ou alvo extra.

[b][u]Tennenkoushin[/u][/b]
[i]Regeneração Natural[/i]
[b]Rank: [color=green]C+[/color][/b]

Os monges se ferem em seus treinos, e isto é uma realidade. Longe de meios para se abastecer com mantimentos como remédios, eles buscaram com os séculos formas de minimizar trauma, usando a relação biológica entre estímulos elétricos e o feedback que eles causam em tecidos vivos. O usuário precisa sentar em seiza (postura zen de ficar sentado com as pernas dobradas para trás, respirando tranquilamento) e ativa a técnica, que começa a varrer seu corpo atrás de desarmonia (danos). Ela reduz sangramento, recupera fadiga, acalma perturbação nervosa, combate febre e diminui intoxicações, e ainda restaura alguns danos menores e moderados optimizando o corpo para suportar aquela carga de ferimentos.
Note que, a despeito do nome bonito, ferimentos não são fechados nem ossos partidos voltam ao lugar. O corpo aprende a se virar com o que tem - uma habilidade usada de forma amorosa pelas mães em locais com pouca comida, por exemplo, que mesmo sem controlar o corpo este usa o máximo que tem para produzir leite materno de qualidade para o bebê, tirando até das reservas da mãe. Nesta situação, chakra Raiton usado de forma positiva amortece o impacto dos danos.
A técnica pode ser usada para remover paralisia corporal de qualquer fonte, "empurrando" com chakra fontes de chakra em técnicas que causem estagnação muscular.

[b][u]Jo Tsuyu Mata Jo Den[/u][/b]
[i]Assim como o Orvalho, Assim como o Raio[/i]
[b]Rank: [color=orange]B[/color][/b]

Com nome derivada de uma prática de meditação que reconhece que tudo dura muito pouco como está, sempre mudando e se destruindo, envolve o usuário canalizar chakra Raiton ao redor de um dos seus membros em uma densidade que parece sólida, quase fazendo o membro desaparecer dentro da claridade. Um golpe realizado por este membro usa Controle de Chakra naquele post no lugar de força, podendo tranquilamente quebrar paredes, abrir um buraco em uma pessoa e derrubar ogros demoníacos (oni), como na lenda do monge do Templo Branco que ficou preso em uma caverna por um monstro, e aprendeu a técnica para abrir caminho pela barriga dele. Contudo, o alcance é curto (mais curto até que o Chidori, de mesmo rank, porque não estende para além do membro).

[b][u]Houden Kan[/u][/b]
[i]Chamado do Relâmpago do Dharma[/i]
[b]Rank: [color=orange]B[/color][/b]

Esta técnica só pode ser usada em três situações: em uma grande altura, como nas montanhas onde está o Templo Branco (ou seja, dentro dele os monges podem sempre utilizá-la); em um dia nublado com bastante umidade, ou chovendo; perto de grandes estruturas de metal, com eletricidade estática abundante (e neste último caso, precisa tocar no metal para criar uma ligação entre o campo de energia e seu corpo). O usuário então atrai energia elétrica ambiente e canaliza por dois dedos levantados, depois move na direção do seu alvo e a descarga parte, para fulminá-lo. A vantagem da técnica é que ela é uma descarga mais duradoura, desde que o usuário mantenha-se parado e sob as condições ideais de uso, e no próximo post ela volta a atacar, tendo ou não atingido seu alvo original. O segundo curso do raio não pode, porém, mudar de alvo.

[b][u]Daijoue[/u][/b]
[i]Ritual do Grande Veículo[/i]
[b]Rank: [color=red]A[/color][/b]

[center][img]http://illiweb.com/fa/pbucket.gif[/img][/center]

Esta técnica é uma invocação da divindade guardiã do Templo Branco, o Deus do Trovão de Três Olhos. A imagem acima é meramente ilustrativa; nenhum gigante vermelho com três olhos vai aparecer, é apenas uma base de meditação no treino da técnica, em que o monge torna-se um veículo para as qualidades do guardião, tornando-se ele o guardião.

É o equivalente à Raiton no Yoroi dos Yotsuki: o monge carrega-se com eletricidade que estimula seus músculos e reveste a pele, aumentando em 3 pontos seus PEVs de Força e Resistência, e todo dano não derivado de Fuuton é reduzido em um rank. O custo de manutenção por post após o primeiro é igual à metade do custo de invocação da técnica (arredondado para baixo), já considerados os descontos por alto PEV. Golpes do monge tendem a ser carregados de eletricidade, a menos que ele se concentre em usar apenas força comum amplificada.

Se Jo Tsuyu Mata Jo Den (Assim como o Orvalho, Assim como o Raio) for usado durante esta técnica, a força extra da técnica é permutada em eletricidade, e o dano do golpe se torna de Controle de Chakra + 3.

[b][u]Koubyaku[/u][/b]
[i]Branco Reluzente[/i]
[b]Rank: [color=indigo]S[/color][/b]

Ougi (técnica suprema, oculta) dos monges do Templo Branco, aqueles que a testemunham dizem que viram só "um clarão branco" antes do inimigo ser arremessado da montanha, com um estrondo acompanhando. O monge cria duas correntes poderosas, uma em cada braço, e quando bate palmas um ataque elétrico em grande velocidade seguido de um rompimento da velocidade do som parte contra o oponente. O ataque em si equivale ao dano de uma técnica Rank A, de menor efeito; contudo, o estrondo sônico garante que se o alvo não saiu da área em que a eletricidade disparou e esquivou, permanecendo próximo ao ponto, ou defendeu-se com algum obstáculo ou barreira, ainda sim é arrancado no lugar pelo "sonic boom" e lançado um metro por ponto de Controle de Chakra do usuário para trás - se ele cair de uma grande altura ou se chocar contra um obstáculo, pode ser fatal.

Existem dois relatos curiosos do Kouyaku. Um é de um monge que perdeu um dos braços com uma infecção e gangrena, e alegremente aprendeu a bater com os pés para usar o jutsu, sendo elevado ao status de mestre imediatamente por seus companheiros. O outro é que havia uma montanha perto do Templo Branco, em que invasores certa vez montaram um plano de assalto para derrubar uma prancha longa dela para a base do Kiraso, a fim de saquear o que pensavam serem tesouros valiosos. Todos os mestres do Templo Branco se reuniram e usaram este jutsu ao mesmo tempo, sobre os inimigos. A montanha hoje é uma colina rochosa muito pequena.[/quote][/quote]

_________________
ATENÇÃO: Esta account NÃO responde mensagens privadas!
avatar
O Criador


Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum