Status do RPG: Aberto a novas inscrições
Ao se cadastrar, favor fazê-lo com o futuro nome de seu personagem. Exemplo: Uchiha Sasuke, Uzumaki Naruto. Tenha em mente que a ativação da conta se dá por um link mandado ao seu email de cadastro, portanto utilize uma conta válida.
Link us!




Parceiros
Quem está conectado
3 usuários online :: 1 usuário cadastrado, Nenhum Invisível e 2 Visitantes

Karitsuki

O recorde de usuários online foi de 45 em Sex Abr 01, 2016 6:17 pm

[O Falcão Celeste] Treinos de um Guerreiro Honrado

Ir em baixo

[O Falcão Celeste] Treinos de um Guerreiro Honrado

Mensagem por Hidetomo Sajin em Ter Dez 11, 2018 10:02 am

Hayabusa no Unkou, Ichiren
Vôo do Falcão Peregrino, Série Um
Rank: D
Taijutsu

Um genin não é admitido como ninja de verdade dentro do clã se não conhece esta técnica. É a mais básica aceleração assassina, que parece funcionar como um shunshin mas apenas em linha reta e em curta distância (um metro por ponto de Velocidade do shinobi). Este ataque instantâneo usa Velocidade ao invés de Força para perfurar o oponente com uma kunai, cortar com uma espada ou golpear com o punho, como escolha o usuário para usar o poder de impacto veloz no ataque. Esta aceleração é desperdiçada em ataques de arremesso - só funciona em golpes corporais - e só dura aquele ataque.
A falha da técnica é que ela não permite o uso em posts consecutivos, e um ataque mal executado ou que erre a vítima pode deixar o usuário de costas para ela. Hayabusa costumam fortalecer a proteção de suas costas de várias formas, tentando contornar este prejuízo possível.

Velocidade sempre foi algo que atraiu muito a atenção de Sajin. Diferente dos seus primos mais próximos, cujo a maioria se chama Shiro em homenagem ao fundador do clã Hayabusa, Sajin possuía um nome único, só seu. Não conhecia nenhum garoto ali que tinha um nome igual ao seu, e também sempre teve muito desejo de ser ninja e ficar mais forte, então procurou por informações sobre como poderia ser reconhecido em todo o seu potencial e a resposta foi a primeira técnica de seu clã, em todo o seu esplendor. Sabia que seu pai possuía as informações sobre ela disponíveis em casa, e que poderia treiná-la caso as descobrisse, então buscou em cada documento existente nas bibliotecas particulares, e bem pequenas, de seu pai até encontrar finalmente o pergaminho que tanto procurava.

As técnicas do Vôo do Falcão Peregrino usavam de aceleração, e principalmente aquela técnica seria bem difícil para ele aprender. Ele nunca tinha usado de verdade essa habilidade que possuíam, de acelerar o corpo com sua própria força muscular e se lançar, também nunca tinha tido treinos avançados de Taijutsu além do básico com mãos e pernas. Mas estava ali, sabia que conseguiria, e leu calmamente cada passo da instrução. Era uma técnica simples, mas ao mesmo tempo complexa. Ele treinou por horas a fio somente correr para frente movimentando uma kunai para frente, como se fizesse o movimento certo, mas sem acelerar o corpo de fato. E ainda assim era difícil de acertar um alvo em local diferente quando estava em corrida, teria que ter uma precisão boa para avançar com tudo para cima de alguém.

Finalmente, após correr bastante e se acabar de cansaço, ele descansou o suficiente para voltar ao treinamento e levantou-se em um salto, ficando pronto para prosseguir. Agora, acelerar. Releu várias vezes o pergaminho, era complexo e cheio de detalhes e informações difíceis de entender para uma criança, mas ele aos poucos foi entendendo e tentando executar o mais depressa possível. Começou agilizando os pés, concentrando energia nos mesmos, canalizando sua força e explodindo toda a sua vontade nos pés e agilizando o resto do corpo lançando-se para frente. Foi tão rápido e forte que ele correu para frente sem ver e acertou a parede com o corpo, se espatifando todo e sentindo muita dor. A sorte é que parou de acelerar antes de atingir, ou poderia ter se machucado muito mais. Tirou o resto da tarde de folga, para se recuperar da pancada e descansar, mas logo de manhã no outro dia já voltou, agora do lado de fora, para voltar a treinar sua técnica diminuindo o risco de bater nas coisas. Voltou a acelerar e seguir reto por um pedaço grande, como uma flecha voando em linha reta até seu alvo, mas… Qual era seu alvo? Ele pegou um boneco de pano que tinha, deixando ele em cima de uma cadeira, calculou a distância que precisaria percorrer e correu com tudo, acelerando de uma vez e atingindo a kunai no pobre boneco. Claro que tropeçou na cadeira, mas era um custo leve, joelhos ralados e dor nas costas, a se pagar pelo que havia realizado.

Palavras: 526
Hidetomo Sajin
Hidetomo Sajin
Mercenário | Rank D+
Mercenário | Rank D+


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [O Falcão Celeste] Treinos de um Guerreiro Honrado

Mensagem por Hidetomo Sajin em Ter Dez 11, 2018 10:06 am

Hayabusa Tou Sei
Impulso do Falcão Peregrino
Rank: D
Ninjutsu

Técnica que permite, durante uma queda ou situação em que o ninja esteja no espaço aéreo, usar o mesmo princípio de caminhar na água ou nas paredes colocando chakra nos pés e se “apoiando” no ar. Dura uma fração de segundo, mas um praticante treinado consegue apoiar-se para saltar e diminuir o dano de uma queda ou mudar de direção, ou ainda esquivar em uma situação sem apoio sólido em pleno ar. Não pode ser usado após outro post, evitando que o ninja saia andando no ar.

Após o feito de desenvolver a primeira técnica perfeitamente, o que deixou o garoto muito animado, seu pai, um pouco a contragosto, lhe deu o pergaminho que ele havia pego da última vez para treinar inicialmente o Vôo do Falcão Peregrino, Série Um, e lhe mostrou o caminho de técnicas que o clã Hayabusa desenvolveu com o passar dos anos, e agora estavam confiados naquele pergaminho em suas mãos; uma das cópias, não era o original do clã, guardado a sete chaves como deve ser. Ele seguiria para a próxima técnica, ainda como um iniciante no estilo, mas agora como uma técnica de Ninjutsu, algo que ele não era tão bom assim, mas seu pai lhe disse que era necessário aprender cada passo de uma vez, para que ele pudesse chegar ao topo das técnicas de sua família. Não se aprendia uma sem aprender a anterior, por isso eram separadas por nível de evolução ninja e por números de série, então prosseguiu seus estudos sobre a arte de usar impulso cinético com chakra para “pisar no ar”. O que realmente faria era empurrar chakra para o lado oposto, como uma rajada de ar, para se lançar para cima rapidamente. Seria quase como um segundo pulo, mas sem nenhum apoio.

Seu controle sobre o chakra era terrível; até hoje ainda é bem abaixo do que ele gostaria, mas ele sempre teve foco em combater utilizando o corpo, então desleixou bastante essa parte. Como isso era um problema para ele, iniciou o treino aprendendo a concentrar o chakra nos pés. Realizou um selo genérico do tigre, e concentrou suas reservas todas nas solas do pé. Percebeu que desperdiçava bastante chakra, pois mesmo sem liberar ele para fora do corpo o garoto já estava ficando cansado, e ele ainda precisaria liberar uma grande quantidade de chakra para poder se lançar para cima; mas talvez esse fosse o caminho, deixar ele fluir desajeitado e em grande quantidade e somente aproveitar o impulso. Começou tentando assim. Após um tempo de descanso, Sajin concentrou o chakra nas solas do pé. Esperou ele começar a escapar e pulou, lançando muito chakra para baixo de qualquer forma e se lançando para cima. Como não controlou nem um pouco o lançamento, voou para cima todo torto e caiu na grama de lado, sentindo a dor da pancada amortecida, mas ainda ficando bem. Não tinha sido a melhor escolha de tentativa. Concentrou-se em um ponto à sua frente, mirou com suas habilidades marciais onde iria querer se lançar, concentrou-se com toda a vontade que tinha e liberou chakra, agora menos potente e mais leve. Não pulou muito alto, praticamente só caiu.Um meio termo, o equilíbrio era a chave para todas as técnicas, e dessa vez ele realmente precisava do equilíbrio entre explodir o chakra nos pés e se lançar para cima e concentrar-se em uma direção e equilíbrio. Tentou algumas vezes errando para menos, outras para mais, mas cada vez mais aproximava-se do que queria. Logo, estava saltando como precisava, escolhendo onde cair e a melhor forma de cair. Havia dominado bem essa segunda técnica.

Palavras: 516
Hidetomo Sajin
Hidetomo Sajin
Mercenário | Rank D+
Mercenário | Rank D+


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [O Falcão Celeste] Treinos de um Guerreiro Honrado

Mensagem por Hidetomo Sajin em Ter Dez 11, 2018 10:08 am

Sōshuriken no Jutsu
Técnica da Shuriken Manipulada
Rank: D

Com esta técnica uma shuriken e um fio shinobi (comprimento de acordo com usuário) são utilizadas para que através do fio a trajetória da shuriken seja modificada após ser arremessada. Um expert pode livremente deslizar a shuriken em qualquer direção com um movimento simples da ponta do dedo. O primeiro ataque, desafiando o inimigo, pode ser usado como finta para um outro em outra direção. Dependendo da performance, as táticas possíveis podem ser infinitas.

Começou a se espalhar pelo grupo de amigas da mãe de Sajin sobre a rapidez com que a criança aprendeu a Série um das técnicas do clã. E também uma amiga dela andava se vangloriando muito sobre como estava ensinando técnicas avançadas de combate para seu filho que ainda era bem novinho, talvez mais novo que Sajin, que se equiparavam ou até já havia superado tudo que o garoto sabia. E isso deixou a mulher furiosa. "Como ela ousava dizer isso para todo mundo!" Exclamava pela casa, subindo e descendo enquanto limpava os cômodos. Sajin sabia o que viria a seguir, ela iria lhe ensinar alguma coisa diferente e grande para mostrar para as amigas, mas ao invés disso ela começou a dizer que o garoto ia ser o orgulho daquela casa e que era genial e precisava de mais e mais conhecimento. Estava cega de raiva, e o garotinho sonhava que continuasse assim por mais tempo.

Após a limpeza, ela pegou fios de aço, shurikens e partiu para o dojo particular nos fundos, pegando um boneco todo surrado de treinos de madeira já bastante furado e com lascas soltas por golpes fortes. O garoto nunca tinha visto ele antes. Sua mãe ainda era preocupada com ensinar coisas perigosas para o filho, mas ela era fascinada pela arte das shurikens, e era o caminho que escolheu para ensinar seu filho. Amarrou os fios de aço nas shurikens de uma forma que o garoto foi aprendendo e depois ajudou sua mãe a completar; conforme a mulher era necessário saber fazer aquilo para poder dominar totalmente o que ela queria lhe ensinar, e então após isso ela se afastou do boneco e lançou as armas, que giraram livres, mesmo presas pelos fios, e pararam no ar, girando, antes de atingir a parede. Novamente lançou as mesmas e ajeitou com a boca e com as mãos os fios para que eles cruzassem as shurikens e então as armas cravassem de forma a rodar no boneco os fios de aço e prender a peça no lugar. Claro que ela não se moveria, mas era interessante.

Sajin resolveu tentar, fazendo movimentos rápidos com as mãos e prendendo as shurikens e fios onde deveria, pegando nas dobras dos dedos e segurando de forma fácil para acessar com a boca na hora de trocar a trajetória. Foi realizando movimentos gingados e aprendendo como controlar as armas aos poucos enquanto buscava fazer o mesmo que sua mãe fez sem esforço quase algum, mas para ele não era tão fácil; ela tinha anos de treino com armas de arremesso, enquanto ele havia aprendido muito pouco sobre lançar armas e principalmente sobre fios shinobi. Após algum tempo de movimentação e se ajustar bem com os fios, ele conseguiu cravar as armas no boneco, prendendo-o em um emaranhado de fios tortos, mas que já daria para alguma coisa. Como punição pela bagunça e não conseguir realizar do jeito certo, ele teve que retirar tudo e tentar novamente até prender do jeito certo. Levou um bom tempo, mas quando conseguiu eles ficaram tão presos e as shurikens tão cravadas que seria bem difícil recolher eles agora.

Palavras: 524
Hidetomo Sajin
Hidetomo Sajin
Mercenário | Rank D+
Mercenário | Rank D+


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [O Falcão Celeste] Treinos de um Guerreiro Honrado

Mensagem por Hidetomo Sajin em Ter Dez 11, 2018 10:10 am

Kage Shuriken no Jutsu
Técnica da Shuriken das Sombras
Rank: D

É uma técnica extremamente simples onde suas shuriken, como a Fuuma Shuriken, são arremessadas simultaneamente uma em cima da outra. O truque é de algum modo atrair a atenção do inimigo apenas para a shuriken superior, se este nota ambas as armas a técnica perde toda a sua eficácia.

Como já descrito anteriormente, a mãe de Sajin era apaixonada pela arte do Shurikenjutsu. As técnicas de lançamento de armas em geral eram sua especialidade, e ela queria passar esse amor para seu filho. Depois de esbanjar o talento do garoto demonstrado no último treino para as amigas, a mulher sentiu o gosto da vitória ao ver o olhar de sua rival, que o filho não conseguia realizar feitos como esses, então voltou a desejar ensinar para o filho alguma coisa de um nível acima do básico, agora um golpe mais técnico ainda do que o anterior, com menos força e mais estratégia como ela gostava. Lançou uma shuriken na direção da parede, e Sajin a observava com olhos atentos e curiosos, mas ao cravar na mesma, eram duas armas. Incrível! Era quase como uma mágica, como ela tinha materializado outra arma na parede assim, vinda do nada? Ou ela lançou a arma muito mais rápido?

Claro que a mulher logo explicou como funcionava a técnica da shuriken das sombras. Ela usaria armas pequenas, no caso shurikens, para ajudar o garoto a aprender, mas lhe demonstrou que poderia ser usado com armas maiores, lançando duas shurikens gigantes e ainda assim a de baixo parecia desaparecer enquanto a de cima girava até seu alvo. Era brilhante, inacreditável. Pois bem, era sua vez de brilhar, e sua mãe lhe dera várias shurikens para fazer o mesmo. Primeiro, treinou seus lançamentos. Precisaria de precisão milimétrica para esconder uma arma na sombra da outra, mesmo com chakra e técnica, tinha que acertar o ponto, balanço e velocidade de ambas as armas, fosse com as duas mãos ou com a mesma mão. Lançou várias armas até se acostumar, acertando a parede de palha e deixando-a com vários buracos e armas cravadas. Depois deste treino específico para lançamento, mira e controle das armas, ele começou a lançar duas armas ao mesmo tempo, medir velocidade, de lançamento e buscar atingir de forma direta e precisa uma acima da outra no mesmo ponto, até que foi melhorando sua pontaria e controle aos poucos, iniciando suas tentativas de esconder uma arma sob a outra. Foi muito difícil no começo, afinal ele não tinha nenhuma ideia do que fazer para que desse certo, então tentou usar truque de ilusão de ótica simples, nem podendo chamar isso de genjutsu, para fazer a arma sumir. Claro que deu errado.

Concentrar chakra em uma arma em movimento não era fácil. O controle dele era muito baixo e utilizar o chakra em movimento dessa forma exigia um controle maior do que ele tinha na época. Claro que demorou muito pra ele aprender essa parte, foi a parte mais difícil de treinos desde que entrou na academia, mas valeu a pena. Cada tentativa ele melhorava um pouco e sentia seu controle se ampliar também. Saiu do controle zero para um pouquinho de controle, o que garantiu para ele a capacidade de utilizar bem a técnica mesmo ainda sem grande avanço nessa área. Quando finalmente acertou, estava tão exausto que nem comemorou, só se jogou no chão. Mas sua mãe comemorou bastante.

Palavras: 516
Hidetomo Sajin
Hidetomo Sajin
Mercenário | Rank D+
Mercenário | Rank D+


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [O Falcão Celeste] Treinos de um Guerreiro Honrado

Mensagem por Hidetomo Sajin em Ter Dez 11, 2018 12:42 pm

Tourou no Jutsu
Técnica da Lanterna Suspensa
Rank: D

O usuário produz uma pequena bola de chakra luminoso que flutua acima da sua palma para iluminar os arredores, similar a uma lanterna. Porém, sem ser autêntico Hikariton, é difícil manobrar em combate e manter a iluminação ao mesmo tempo. Dura uma cena, mesmo que ela seja menor que um tópico.

Após conseguir realizar as técnicas de lançamento de armas de sua mãe, Sajin sentiu-se minimamente interessado por Ninjutsu, e começou a treinar as técnicas da academia com mais vontade. Vendo esse desejo de evolução, sua mãe sentiu que poderia ensinar algo menos violento para seu filho, que não tivesse relação com armas ou combate, algo útil para situações diversas.Ela pensou bastante no que iria passar para ele, era uma criança bastante ativa e gostava de muita coisa, mas ela queria que fosse algo muito mais interessante para ele como um explorador do que como um ninja. Então lembrou-se da primeira técnica que havia aprendido quando ainda era bem menina, uma técnica simples sobre iluminar o ambiente, mas ao mesmo tempo que ela utilizou muitas vezes em sua carreira ninja e também para brincar com as colegas na academia. Era uma de suas favoritas.

Ela chegou no garoto e pediu para ele apagar a luz do quarto. Quando estava tudo escuro, ela realizou os selos e iluminou tudo com uma bolinha de luz bela e que parecia saltar e flutuar em sua mão. A luz era aconchegante, mesmo sem ser fogo, e também hipnotizante. O garoto continuou concentrado nela até a mesma se desfazer e sua mãe acender o quarto novamente.Ele ficou maravilhado com tal técnica, e sua mãe viu naquele rostinho brilhando de emoção ela mesma, mais nova, quando viu aquela luz pela primeira vez. Como era uma técnica complexa, ela demonstrou mais de uma vez, agora com a luz acesa, como que se realizava os selos e explicou sobre liberar chakra e dar-lhe forma. O garoto tinha uma ideia disso por que sabia realizar o bunshin no jutsu da academia, e era uma criação fora do corpo e exigia ter uma forma, mas fazer luz era algo que nunca havia tentado. Começou seu treinamento pela parte fácil, uma bola de chakra.

A esfera de chakra dançava em seus olhos ao final do primeiro dia de treino. Era difícil para o garoto realizar técnicas de Ninjutsu, ele se cansava rápido e não tinha muito controle, então precisava de algum esforço e muita determinação para conseguir cada passo. Foi tão difícil para ele criar aquela esfera que ele jantou um lanche rápido e já foi dormir direto, exausto. Já no segundo dia, bem cedo, acordou e tomou um café rápido, ficando satisfeito, e voltou a treinar. Agora fazia aquela esfera com mais facilidade, e precisava somente adicionar luminosidade para a mesma. Era uma tarefa difícil, não era uma luz derivada de uma habilidade avançada como dos Yamada, era uma técnica única e totalmente diferente das convencionais dele, então levou muitas horas até entender o conceito de iluminar o chakra e criar luz. Não uma luz verdadeira, mas tornar seu chakra luminoso, de forma que ele brilhasse e iluminasse o ambiente. Cada vez as técnicas estavam ficando mais desafiadoras para Sajin, e ele tinha medo de não conseguir executar as próximas com perfeição, então aproveitou para aprimorar um pouco mais sua capacidade de criar chakra com essa técnica, treinando por mais um tempo até que finalmente ele se sentiu satisfeito com seu desempenho. Sentia-se muito bem consigo mesmo.

Palavras: 528
Hidetomo Sajin
Hidetomo Sajin
Mercenário | Rank D+
Mercenário | Rank D+


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [O Falcão Celeste] Treinos de um Guerreiro Honrado

Mensagem por Hidetomo Sajin em Ter Dez 11, 2018 2:43 pm

Senpuu
Furacão da Folha
Rank: D

O utilizador efetua um chute rotativo de 360º graus no ar.

Finalmente, após aprender diversas técnicas ninja com sua mãe, seu pai havia tido um tempo, e principalmente vontade, que era algo que ele não tinha antes de o garoto começar a mostrar total interesse em aprender as técnicas da mãe, para lhe ensinar um pouco sobre combate usando o corpo. Ele não queria deixar o filho se tornar um usuário de técnicas de Shuriken assim como a mãe, mas também tinha prometido para sua esposa que não demonstraria para o garoto nada muito avançado ou que trouxesse riscos para ele no futuro. Mal sabiam os pais dele que logo ele iniciaria seus treinos em um dojo com kenjutsu e ainda por cima aprendendo a utilizar os Portões de Chakra. Muito risco, eles teriam convulsionado. De toda forma, começaria com o básico para o garoto ir pegando o jeito, então foi até o dojo particular da família, nos fundos da casa, que mesmo pequeno era suficiente para o que viria a seguir.

Seu pai rodopiou e chutou o boneco que tinha posicionado, derrubando-o de lado com grande velocidade. O boneco girou no ar antes de cair, e o garoto virou a cabeça junto dele, quase dando uma cambalhota para acompanhar o feito. Ficou impressionado com o chute, mesmo por que crianças são impressionáveis, e qualquer arte ninja nova, fosse uma luz brilhando ou um chute, ia deixar o garoto maravilhado. Hoje em dia ele se impressiona bem menos com as coisas. De toda a forma, seu pai lhe mostrou como realizar o movimento com precisão e o que precisaria fazer a seguir, e ele arrumou o boneco de madeira para enfim começar a treinar. Era hora de aprender um pouco sobre Taijutsu fora de seu clã.

Ele iniciou o treinamento da técnica sabendo que não era só aprender a chutar direito, mas realizar o movimento repetidas vezes para o corpo memorizar. Leu isso em um livro, e seu pai lhe confirmou quando questionou sobre a ideia para ele, mas não sabia como medir se estava indo bem ou não, se precisava de mais força ou menos força ou até acertar mais para baixo ou para cima, então pediu para o pai marcar o boneco de madeira onde ele deveria acertar para que facilitasse o início do treinamento. Ele iniciou com força suficiente para sentir muita dor ao atingir o golpe, afinal ele era fraco e frágil demais para suportar o choque que voltou para o pé após atingir com toda a força a madeira dura do boneco. Era velho, mas era resistente. Então voltou a atingir, mas com menos força a cada golpe, memorizando o movimento a cada novo movimento até voltar a subir a força aos poucos e acostumar o corpo ao impacto. Ele atingia com força e exatidão, cada movimento era sincronizado e perfeito conforme o ensinamento de seu pai, e somente parou ao fim da tarde quando foi indicado para ele que estava finalizado e ele estava exausto e com as pernas doendo. Foi um ótimo dia de treinos.

Palavras: 501
Hidetomo Sajin
Hidetomo Sajin
Mercenário | Rank D+
Mercenário | Rank D+


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [O Falcão Celeste] Treinos de um Guerreiro Honrado

Mensagem por Hidetomo Sajin em Ter Dez 11, 2018 2:44 pm

Konoha Tsumujikaze
Tornado da Folha de Árvore
Rank: D



Enquanto se apóia nas mãos, o usuário gira com as pernas esticadas. Isto provoca uma lufada de vento além do golpe, que pode desviar projéteis no caminho ou mesmo clarear uma área de névoa densa. Precisa conhecer o Senpuu.

Aproveitando a onda de treinos que o garoto andava tendo, o professor da academia ninja resolveu realizar um teste com técnicas de criação de névoa e utilização da mesma, fosse com bombas de fumaça, ou com a técnica de Suiton tão famosa na vila de Kirigakure que também era conhecida por ali, e também formas de combater usando a mesma dentro da classe avançada.

Como o garoto aprendia rápido tudo que ensinavam para ele, avançou para classes muito acima da sua velozmente, muito graças aos seus pais; ele não era genial como muitos por ai, somente era bom em aprender e tinha pais ótimos em ensinar.Agora completava seus cursos na turma que iria logo se graduar; não se graduaria com eles, mas estava pronto para isso. De qualquer forma ele não tinha o elemento água, que ajudaria bastante permitindo ele aprender a técnica, e com isso teve que somente aprender a se adaptar a lutar dessa forma. Ao final da aula, seu professor o chamou para um canto, tendo notado o desempenho não tão bom do garoto como era habitual, e lhe mostrou uma técnica nova para aprender. Como ele não era bom em enfrentar um combate dentro da névoa, ele o ensinou a utilizar o corpo de forma rotatória para dispersar toda aquela área que a técnica criava, somente com o exemplo do treino da técnica anterior. que seu pai lhe ensinou.

Ele mostrou como fazer para, ao se apoiar no chão com as mãos, de cabeça para baixo, fazer um movimento rotativo com os pés enquanto ginga o resto do corpo, jogando ar para longe com o esforço muscular e assim empurrando nevoeiro, gás, fumaça e poeira para longe. O garoto na hora iniciou o treino da técnica, aproveitando o dia de neblina mais fechada para tentar combater a mesma com seu esforço, girando e levantando diversas vezes enquanto realizava o movimento de forma giratória buscando acertar cada vez mais até atingir a perfeição seguidas vezes buscando a memória muscular para que pudesse efetuar o mesmo sempre que quisesse. Ele passou um bom tempo executando movimentos repetidos de virar o corpo de cabeça para baixo e depois de girar as pernas. Buscava grande força muscular, controle de velocidade, aprimorar cada parte do seu corpo com esse treinamento para que pudesse depois utilizar com mais facilidade a técnica que havia aprendido com seu pai também. Como forma de testar a técnica em fase de finalização, o professor do garoto que saiu ao início do treino para lecionar e voltou agora mais para o fim do expediente, já no começo da tarde, iniciou uma técnica de criação de névoa que se expandiu e se espalhou pela escola. Posteriormente essa técnica iria lhe gerar dor de cabeça com reclamações, mas enquanto não acontecia o garoto se ajeitou, preparou o corpo, se jogou ao chão de cabeça para baixo e executou a técnica, mandando toda a névoa para longe com uma poderosa lufada. Impressionado ainda com a velocidade em que Sajin aprendia, o professor pagou-lhe um almoço quente naquela tarde gelada ao se despedir e voltar para casa.

Palavras: 517
Hidetomo Sajin
Hidetomo Sajin
Mercenário | Rank D+
Mercenário | Rank D+


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [O Falcão Celeste] Treinos de um Guerreiro Honrado

Mensagem por Hidetomo Sajin em Ter Dez 11, 2018 2:45 pm

Byōga kuikku
Saque rápido
Rank: D

Um iaijutsu, usado com a espada embainhada, na luta entre dois espadachins, para surpreender o oponente, desarmá-lo e deixá-lo indefeso.
A técnica consiste em sacar rapidamente a espada e cortar o punho do inimigo com ela, com um movimento rápido e continuo, fazendo-o largar a espada e abrir uma brecha para o próximo ataque, que geralmente é um corte de cima para baixo visando à cabeça. É o golpe inicial de muitos combos de espada.

Sajin viu na escola uma apresentação de combate com espadas. Claro que era empolgante para o garoto ver dois ninjas se enfrentando de espada na mão, mas era especialmente empolgante ver os movimentos deles e tentar analisá-los. Ele tinha ficado viciado em aprender e principalmente em analisar técnicas e utilizar estratégias desde que iniciou o treino com o pergaminho do clã Hayabusa algumas semanas antes, e agora estava fascinado com a ideia de aprimorar o corpo. Durante o combate ele viu um movimento que primeiro julgou desleal e depois sábio; um dos guerreiros usou a espada em um saque de movimentos fluídos e rápidos, atingindo com o peso da arma de madeira o pulso do outro combatente e depois mirou um golpe em sua cabeça, parando um segundo antes, após o mesmo largar a arma com a dor. Ele se apaixonou pelo movimento, mesmo ainda sendo novo demais para se apaixonar de verdade, e depois de ver o final da apresentação foi correndo para casa para tentar o golpe que viu.

Lembram-se do espantalho de treinos que eles têm de madeira no dojo? Foi o melhor que ele conseguiu, e pôs uma espada na mão dele, usando uma de madeira para treinar o mesmo esquema de golpes que viu a dupla realizar, rápidos e precisos no bracinho fino do boneco. Ele marcou nele o ponto com uma fitinha vermelha e tentava desamarrar a mesma com um golpe ágil e bem aplicado, movendo os braços de forma rápida e girando o pulso com delicadeza para atingir uma parte mais fácil da fitinha. Não foi, obviamente, de primeira que conseguiu, mas ao invés de ficar frustrado com as falhas que teve no caminho, ele somente sentia que melhorava cada vez mais, errando ou acertando o golpe, até que sentiu que teria resolvido da forma que estava contra um inimigo fraco o golpe que acabara de atingir no boneco; estava quase conseguindo finalizar de forma correta.

Era mais difícil treinar sem alguém para ajudar, tendo que amarrar uma fita em um boneco de madeira ao invés de conseguir atingir alguém segurando uma espada, principalmente por que a cada golpe poderoso que ele dava no braço fino do boneco, o mesmo derrubava a espada, além do risco de quebrar aquela estrutura não muito poderosa, então ele resolveu amarrar a mesma usando a tática do cordão para prender a arma e assim que ele fosse desamarrado ou rompido a arma cairia. Era um exercício e tanto aprender a desarmar alguém com uma espada de madeira e sabia que quando conseguisse iria estar suficientemente bom igual ao homem da demonstração mais cedo na academia, e ainda mais, conseguiria fazer muito fácil ao utilizar aço afiado. o garoto treinou exaustivamente até cortar enfim uma das pontas da fita com a espada em um golpe só, derrubando a arma de lado e a fita sobre a mesma; um movimento muito belo. Usou uma vez de fato em um colega de academia alguns dias depois na primeira aula sobre luta armada; claro que tirou nota máxima.

Palavras: 507
Hidetomo Sajin
Hidetomo Sajin
Mercenário | Rank D+
Mercenário | Rank D+


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [O Falcão Celeste] Treinos de um Guerreiro Honrado

Mensagem por Hidetomo Sajin em Qua Dez 12, 2018 7:47 am

Força
Neste treinamento o usuário deve estimular os seus músculos, fazendo-os trabalhar de forma mais pesada que usualmente. Saber quando parar e que posição utilizar durante os treinos é essencial, assim sendo, uma pesquisa na área pode ser muito produtiva ao treinamento.

Sajin acordou sentindo-se péssimo. Vez ou outra uma pontada de dor vinha em sua cabeça. Ele não se lembrava de nada do que havia acontecido no dia anterior, e com essa falta em sua memória levantou-se com a mão na cabeça e observou aonde estava. Para sua sorte estava em seu quarto de paredes brancas com o guarda roupas e a cama sendo os únicos móveis, e a janela, que se encontrava aberta, dava-lhe a visão da névoa que atualmente se encontrava mínima, sendo possível ver razoavelmente longe. Seu olhar mudou rapidamente quando ouviu um barulho vindo do andar de baixo. Duas batidas e o arrastar de cadeiras vieram na cozinha, e logo viu que eram seus pais, gritando no andar de baixo, de forma amigável; pareciam estar brincando.

Relaxando os músculos e endireitando as costas, ele suspirou e foi ao encontro da dupla, que se preparavam para tomar o café. Sajin timidamente os cumprimentou e o pai do garoto acabou por se preocupar com o estado da criança, perguntando o que havia acontecido para que o mesmo estivesse tão cansado e com tantos ferimentos. O garoto então respondeu que não se lembrava de nada do dia anterior, e a mãe dele, doce e carinhosa, mas ao mesmo tempo furiosa como um leão atacando um veado, disse que a única coisa que sabia é que ele havia dito que iria treinar próximo a uma montanha a mais de uma semana, e apareceu exausto no dia anterior. Ela havia ficado preocupadíssima, e quase teve um colapso nervoso quando ele voltou. O garoto pareceu chocado ao perceber que uma semana de sua vida havia desaparecido de sua mente. Ele tomou seu café e se arrumou, pretendia voltar ao local onde tudo havia acontecido. Ao terminar de se arrumar lembrou-se do dia de sua partida, do começo dele, ao menos.

Ele se encontrava pronto, com armamento arrumado e limpo, um pergaminho grande em suas costas e uma determinação gigantesca. Pegou tudo que precisava e suspirou, girou a maçaneta e saiu. Repetiu a mesma coisa na atualidade, mas sem pergaminho, ele não reconhecia qual havia levado. Ao sair de casa, lembrou do caminho que fez para chegar ao local, e o seguiu calmamente, cumprimentando conhecidos com um acenar de mão, ou com o balançar de cabeça. Chegou ao local rapidamente, e sentou-se em uma pedra, para pensar no que havia feito posteriormente.

O local era belo, existiam árvores, cobertas pela névoa natural da manha fria de inverno, e um grande lago. Era próximo à tal montanha, que ele observava o tempo todo, mas não se lembrava de ter utilizado-a para nada. Lembrou que chegou perto do entardecer, pois havia se perdido antes de encontrar o caminho correto, no meio das árvores, e havia ajudado alguns conhecidos durante o caminho. Com isso a primeira coisa que fez foi uma fogueira, juntando galhos próximos e batendo pedras para conseguir uma faísca. Ele não precisava de uma fogueira ali, mas então lembrou que resolveu por escalar a montanha. Uma arte que havia aprendido a pouco era a de escalar sem utilizar os pés, somente com as mãos, mas resolveu se arriscar mais, utilizando apenas uma das mãos. No começo, algumas pedras se romperam antes do começo da subida, ele sabia que seria impossível subir só com uma mão, mas se esforçou para fazê-lo. O braço direito foi o inicial, ele era ambidestro, mas costumava começar sempre pelo direito. Subiu uma parte pequena, alguns metros acima, e suas forças acabaram. Ele apoiou os pés e trocou de braço. A subida era complicada, ele empurrava o corpo para cima de uma vez e pegava em outra pedra antes do mesmo começar a descer. Vez ou outra ele quase caiu, e teve que se segurar com os dois braços ou com toda a certeza seria uma queda fatal da altura em que estava, mas de resto estava bem. Chegando a alguns muitos metros, ele encontrou um local para parar e descansar.

Sentou-se e olhou para cima, estava começando a ficar realmente escuro naquela noite com pouca luz da lua, em que as nuvens cobriam tudo, deixando a luz ainda mais escassa. Ele olhou para baixo e viu suas coisas ao lado da fogueira, esperando ele voltar, e um lobo indo em direção a eles, calmamente. Lançando uma kunai na criatura, próximo a ele, o garoto afugentou o ladrãozinho e olhou para cima, era melhor continuar no outro dia, então começou sua descida usando chakra para não se soltar.

Na manhã seguinte, uma semana e dois dias atrás, Sajin acordou disposto, ao lado da fogueira apagada, e abraçado a sua mochila. Comeu um pedaço do pão que levou e olhou novamente para a montanha. Bebeu um ou outro gole de água e suspirou, estava pronto para voltar ao seu treinamento. Sustentar o corpo todo era uma tarefa difícil, e ele resolveu por facilitar as coisas utilizando, em caso de queda, a técnica de subir em árvores, para fixar-se nas pedras e parar em pé, antes de continuar. Subiu com uma única mão até o local do dia anterior, antes de seu braço direito começar a doer. Suportou ao máximo e trocou de mão, subindo o dobro do que o dia anterior. Quando chegou ao final de suas forças, pisou firmemente na montanha e se jogou no lago, caindo em um mergulho perfeito e voltando ao local onde estavam os restos de sua fogueira, inteiro e sem sentir dores.

O lobo que lhe havia tentado roubar ontem voltou para mais um ataque a mochila, mas o garoto o afugentou novamente com outra kunai. Recolhendo essa lâmina também, ele viu uma trilha que o levava para mais fundo no meio das árvores, mas o ignorou por agora. Olhou novamente para a montanha enquanto esperava se secar, suas vestes brancas estavam totalmente ensopados e suas roupas dentro da capa haviam grudado no corpo. Ele praguejava por ter tido essa idéia, mas ignorou a tudo quando seus braços pararam de doer, e ele voltou a subir. Nessa terceira vez, ele teve problemas com as roupas se prendendo em sua pele, por ainda estarem molhadas, e até mesmo se prendendo as pedras, sendo obrigada a retornar uma vez ou outra. Chegou ao mesmo lugar que da vez passada e achou um lugar onde pudesse descansar. Olhou para baixo, estava bem alto, e o sol começava a se pôr novamente. Passou tempo demais descansando, afinal para um garoto ainda tão novo era difícil escalar com uma mão só, ainda mais daquele jeito.

Ele então se levantou e preparou-se para continuar, o suor ainda escorria por seu rosto, o vento cada vez batia mais forte, com o subir da mesma, os olhos se fixaram em cada próximo passo, com os olhos brilhando em seu tom amarelado, e vez ou outra ele olhava para baixo para ver se não tinha seus pertences sobre ataque inimigo – o lobo persistente -, mas por sorte ele não voltava. Ele só aparecia quando ele podia lhe lançar coisas, isso era muito interessante. Voltando a subida, Sajin se segurava por mais tempo agora que o vento ameaçava lhe jogar longe, subindo cada vez mais devagar, a ponto de parar por algum tempo antes de voltar a subir. As forças do garoto iam chegando ao fim quando ele viu uma caverna.

A caverna era aconchegante, e o livrou do vento forte enquanto se recuperava. Os seus braços doíam como nunca, mas ele chegou muito longe, e antes do anoitecer. Falando em anoitecer, logo iria anoitecer e ele tinha que descer. O plano de pular dali para a água não era bom, ele poderia se machucar, então ele resolveu descer de um jeito um pouco perturbador. Se jogou do penhasco deslizando no mesmo com os pés e desviando das pedras, como se estivesse em uma prancha sobre uma onda prestes a se quebrar, e existissem obstáculos no caminho, ou como uma descida da montanha de snowboard. Ao se aproximar mais do fim do caminho, se jogou rapidamente para o rio, e esperou não se matar com o movimento. Ensopado e extremamente cansado, ele deitou-se ao lado de sua mochila e pegou duas pedras, para refazer a fogueira. Deu uma volta recolhendo o material necessário e suspirou quando a fogueira acendeu.

O alívio era visível em seu rosto, os dois braços cansados repousavam soltos, como se estivessem jogados no chão, enquanto ele deitava ao lado da fogueira. Ele estava cansado demais para afugentar o lobo, cansado demais até para saber se ele vinha, então somente pegou a mochila, jogou em seu braço e deixou ali, fechando calmamente seus olhos. Havia comido quase nada durante o dia, mas o cansaço conseguia superar a fome, e ele não pensava em mais nada além de dormir. Naquela noite o lobo não apareceu, o vento não gritou, os galhos não se moveram, o lago não ondulou, os animais não cochicharam, as pedras não rolaram, os insetos não caminharam, nada pareceu vivo por algum tempo, como se a existência tivesse tão cansada quando o Hayabusa. A natureza o deixou dormir, em paz, durante toda a noite. Na manhã seguinte ele iria pegar seu pergaminho e começar seu treinamento, ele só queria garantir que teria mais força antes de começar, que conseguiria suportar mais, que conseguiria resistir por mais tempo, para que então, enfim, pudesse se concentrar em treinar suas habilidades e técnicas, até mesmo sua caça...

Ainda faltava uma semana e um dia para se lembrar de tudo. Sajin estava inquieto, mesmo sentado calado em sua pedra.

Alguns dias depois...

Sajin corria até o local que agora se tornara algo como seu campo de treinamentos super secreto, só que não era tão secreto assim, afinal algumas pessoas já foram lhe incomodar por lá, e ele não gostou nem um pouco de ser descoberto. Ele se aproximava a passos largos, em vez de rápidos, para tentar não se cansar tanto, e acabou por parecer dar pulos longos e baixos em vez de correr. Ele se aproximou da montanha pequena ao lado do lago, dessa vez com roupas de treinamento, em vez de capas, e começou a se alongar. O alongamento era parte crucial para o treino, afinal ele iria desgastar muito os músculos, e qualquer câimbra poderia lhe custar muito caro naquela altura. Ele começou com movimentos e posições simples, evoluindo para mais complexas gradativamente, provando sua gigantesca flexibilidade, e então suspirou por uma, duas, três vezes, e então sorriu; iria começar.

O método que usaria era o de subida de penhascos, levando em conta que era o que sabia por agora, o que aprendera naquele mesmo lugar, mas nunca conseguiu completar todo o percurso. Ele nunca havia chego ao topo, somente ao final da primeira divisão do penhasco, onde havia um apoio para se manter e descansar, antes da próxima parte, da continuação. Ele sempre quis tentar continuar, mas nunca foi possível, sempre alguma coisa a fazia descer ao chegar lá - nas duas vezes, no caso - e por isso ele foi hoje decidido a somente completar o percurso, não trazendo nada que pudesse lhe prejudicar e lhe trazer de volta ao chão.

Posicionou-se em frente ao penhasco e colocou uma mão no mesmo, posicionando a outra atrás, em suas costas, e respirando fundo, enquanto posicionava os pés para dar impulso à mesma, e logo começou a subida. Era, como se lembrava, uma subida acidentada, cheia de pedras que poderiam se soltar a todo instante e com buracos e partes altas irregulares, tornando quase impossível uma subida rápida. Levaria a tarde toda para chegar ao meio do penhasco. E subindo aos trancos, quase caindo muitas vezes, ele chegou à primeira parte do percurso, muito abaixo ainda do meio do penhasco - muito mesmo, não dava nem para ver ele ainda, porque as pedras irregulares acabavam por atrapalhar - e trocou de mão, posicionando a mão esquerda na pedra para se segurar e retirando a direita, e então continuou. Essa troca quase o fez cair, e ele pareceu se fatigar mais rápido com a mão esquerda, pelo esforço de se segurar, trocar, e começar novamente.

As mãos dele já doíam quando chegou à primeira abertura grande o bastante para caber sentado. Por lá parou, para poder descansar por um tempo que fosse a fim de conseguir se recuperar e voltar a subir. Ele ficou ali, parado, sentado, olhando lá para baixo a floresta, por algum tempo. Não muito, somente o bastante. Voltou a subir com a mão direita, pois era o momento de trocar novamente, e ele já estava completamente acabado. Seus braços doíam, e um descanso não iria ajudar a menos que fosse por tempo de mais, o que ele não tinha no momento. Ele logo continuou subindo, e subindo, até a hora de trocar de mão. E com isso ele subiu até a parte que queria; o centro do penhasco. Seus braços pareciam que iriam cair, mas ele aguentou firme, e somente deixou, se jogando ali na parte onde tinha muito espaço - cabia uma casa naquela parte - e acabou dormindo...

Para quem queria terminar o treino antes do anoitecer, dormir fez seus planos irem por água abaixo. Estava recuperado, mesmo ainda sentindo algumas dores pelo esforço do dia anterior, ao menos tinha força para continuar subindo. Ele então teve que refazer sua série de alongamentos, novamente um mais complexo que o outro, de forma gradativa, e novamente preparar-se mentalmente. Suspirou do mesmo modo que antes, mas olhando para cima, se viu uma formiga escalando um prédio. Ele entrou em posição, se segurou e pisou fortemente em uma pedra, que caiu. Logo ele teve que mudar de local, e percebeu que a parte de cima tinha mais pedras quase soltas que embaixo. Ele teria que tomar o dobro do cuidado, para não acabar caindo; ainda mais quando estivesse quase no topo, onde uma queda poderia ser fatal. Mais preocupado em se segurar no lugar certo ao invés de subir, ele levava o dobro, ou até triplo do tempo para subir a mesma quantidade que antes. Uma ou outra vez ele quase caiu, se segurando por pouco em uma pedra, ou pelos joelhos.

Chegaria ao topo provavelmente somente na outra manhã, já havia anoitecido e ele não estava nem perto da metade. Já trocou o braço, já parou para descansar, já fez tudo que podia fazer, e nem chegou à metade. Essa segunda parte não era um desafio, era somente chato; a única parte difícil era com certeza a grande chance de cair. Ele subia, subia, subia e nunca chegava a lugar algum. Por alguns minutos pensou estar em um Genjutsu infinito, e acabaria chegando ao topo sem perceber, mas então passou para o lado e uma rocha parou de atrapalhá-lo, que viu agora o topo a uma infinidade de metros. Sua vontade diminuía cada vez mais, até o ponto onde ele queria voltar e ir embora. Ele foi então para o outro braço, subiria a mesma quantidade de tempo e depois voltaria, ou se jogaria no lago, coisa que ele achava suicídio.Desistiu de concentrar-se em sua descida e voltou a pensar em como subiria. Faltava pouco, ele tinha que atingir seu objetivo, era persistente e queria finalizar totalmente seu treinamento ainda naquela tarde. Subia lentamente, cada vez mais devagar para não cair, até que após mais alguns minutos viu uma maior dificuldade e repensou seu caso.

Ele subiu com a mão esquerda até uma parte onde não achava mais apoio, e com isso teve que se preparar para andar para o lado ou voltar. Como havia chegado aonde queria, pensou em voltar, mas ao olhar para baixo um arrepio lhe veio, e ele quase se desequilibrou. Ele então se jogou para o lado e virou de frente para o abismo, indo pulando de pedra em pedra e escorregando como se estivesse em uma onda surfando nas pedras. Ele chegou à metade, rolou no chão e fez o mesmo para descer até o começo. Entretanto tropeçou perto do fim e acabou por quebrar uma perna. Foi socorrido por seu mestre que observava a tudo de longe e levado ao hospital. Fora uma semana difícil enquanto recuperava-se daquele problema. Não devia ter sido tão descuidado ao descer, mas de qualquer forma, não foi tão ruim assim. Sentia-se mais forte, mesmo com as dores na perna. Os médicos com certeza reclamaram, e muito, de todo o problema que o garoto causou. Ele foi totalmente descuidado e exagerado, e esse método não era aprovado e continuaram falando uma infinidade de coisas que ele preferiu ignorar. Ele se teve de recuperar-se com fisioterapia, o que foi a pior parte.

Digamos que ele não conseguia andar direito, mas ignorava esse ponto. Perguntaram por que ele não utilizou alguma das técnicas dos Hayabusa para manter-se no ar quando estava caindo, como a técnica de pisar novamente no ar, e nem ele soube responder essa pergunta. Não é algo que você pensa enquanto está vendo sua morte logo à frente, mas os médicos reclamaram mais por isso que por qualquer coisa. Seu mestre não reclamou quase, acho que ele não ligou tanto para isso, já que o garoto se recuperaria rápido, sempre foi assim. Ele era meio desastrado, mas sempre acabava se dando bem de algum modo, ou se não desse, se recuperava rápido. E rápido não é só um modo de dizer. Teve uma vez que ele chegou todo cortado ao hospital, digamos que ele sempre acaba esquecendo-se de que a defesa é o melhor ataque, mas enfim, chegou todo cortado e foi se tratar. Em menos de dois dias estava se cortando de novo em treino. Dois dias para um corpo inteiro se recuperar não é algo comum, mas enfim, ele ainda assim é arteiro e desastrado, e os médicos já esperavam que ele voltasse logo. Não desejando mal para ele, mas adivinhando o futuro, ou somente observando o passado. Enfim, eles o trataram bem, e resolveram o problema da perna o mais breve que conseguiram. Após algumas semanas voltou a se recuperar totalmente, tinham bons ninjas médicos e boa tecnologia por ali. De qualquer forma, tudo estava bem, mas resolveu por deixar a prática de escalada para outros tempos...

Palavras: 3020
Hidetomo Sajin
Hidetomo Sajin
Mercenário | Rank D+
Mercenário | Rank D+


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [O Falcão Celeste] Treinos de um Guerreiro Honrado

Mensagem por Hidetomo Sajin em Qui Dez 13, 2018 2:57 pm

Força
Neste treinamento o usuário deve estimular os seus músculos, fazendo-os trabalhar de forma mais pesada que usualmente. Saber quando parar e que posição utilizar durante os treinos é essencial, assim sendo, uma pesquisa na área pode ser muito produtiva ao treinamento.

Assim que o treinamento de taijutsu de Sajin iniciou, seu pai lhe disse que sem um mínimo de força em seus braços magrelos e pernas quase sem músculo, o taijutsu não servia de nada. Então o garoto buscou ajuda do mesmo com diversas dicas para o treinamento que iria fazer quando estivesse totalmente descansado e disposto. Seu pai lhe fala que é fácil conseguir força, porém precisava de alguns objetos; e claro que ele mesmo ofereceu-se para cuidar de conseguí-los. Ele não sabia sobre o treino na montanha, foi algo que ninguém tinha exata certeza do que aconteceu, então o garoto preferiu aproveitar e não espalhar a informação, dessa forma ele continuou sua vida normalmente, tendo ficado fora ou não. De toda forma, o pai do garoto então saiu da sala e foi ao mercado, dando um prazo de uma hora até ele voltar. Assim o fez, quando uma hora estava se completando ele chegou com alguns itens, entre eles para fortalecer a perna e os braços. Sajin então agradeceu seu pai, ainda continuando a descansar após sua aula na academia e suas atividades diárias. Já era perto do fim da tarde.

Diferente do que ele pensou que aconteceria, seu pai não iria lhe treinar a força, somente lhe indicou o que fazer e adquiriu o equipamento, mas a execução ele quem iria aprender e se virar para realizar. Nesse treinamento ele não iria precisar nem mesmo sair de casa, mesmo porque somente iria treinar força, o que poderia fazer até em seu quarto com o equipamento correto, mas principalmente não iria ter como carregar todos os objetos pesados, visto que só seria ele levando e custaria várias viagens de ida e volta. Foi até o quintal, arrastando alguns objetos e outros levanto no ombro onde era mais fácil, fazendo algumas curtas voltas para pegar o que restava. Terminado com tudo, resolveu separar os equipamentos para assim começar a treinar. Quando finalmente conseguiu separar todos eles, que quase pareceu um treino à parte, foi enfim começar.

O garoto resolveu começar pelo item mais básico e também o mais variado. Não sabia os nomes daqueles objetos, entretanto sabia como funcionava. Pegou então o peso de mão de cor verde, uma em cada, e assim começou a fazer. Esse peso estava extremamente fácil, não estava se cansando e nem tendo dificuldades para fazer o exercício para levantá-los. Se continuasse com esse não iria ter uma evolução em sua força. Dessa forma, resolveu trocar para o azul. Quando pegou os pesos da nova cor, claramente sentiu diferença de peso entre os dois, porém ainda não seria o suficiente, mas com uma sequência longa deste peso iria começar a cansar, então começou a fazer. Chegou no trinta e começou a cansar o braço, entretanto quando finalmente chegou ao quarenta e sete, eles realmente começaram a lhe incomodar, fazendo com que o garoto completasse até cinquenta nos dois braços, largando os objetos no chão a uma distância considerável para que este não caísse nos pés dele mesmo. Esperou então alguns minutos para que seu braço descansasse partindo assim para o próximo peso que era a da cor Branca. Este era bem mais pesado e provavelmente iria começar a ter trabalho, entretanto isso não iria intimidar o garoto. Pegou o peso e começou a fazer os mesmos exercícios. Assim como imaginou, no décimo exercício começou a sentir o braço pesado e cansado, porém continuou até não aguentar mais, o que foi no décimo quinto levantamento. Vendo que era uma marca pequena, ele lhe sussurrou que iria chegar com cada uma até o número trinta no mínimo.

Descansando novamente por um tempo, os seus braços estavam exaustos e sem energia, então precisou de mais tempo para poder recomeçar seu treinamento com força total. Assim, ao se sentir melhor, pegou novamente os dois pesos brancos e começou a realizar os exercícios com cada um em um braço. Chegou no vinte, começou a sentir dor, dessa vez não tentou continuar por mais algumas e logo largou os pesos. Talvez se esforçasse demais iria acabar sendo pior, então foi sensato e parou antes de começar a sentir dor. Dessa vez ficou sentindo o braço por muito mais tempo, já que estava esgotado desde antes e somente tinha parado de sentir ambos doloridos antes de iniciar, então esperou pelo dobro de tempo antes de voltar a treinar os músculos. Pegou novamente os dois pesos brancos, e em cada braço começou a realizar seus exercícios. Desta vez chegou até o vinte e sete, porém tentou chegar até trinta, o que não conseguiu levantar mais quando chegou no vigésimo nono. Ficou muito frustrado por não ter mais nenhum resquício de força ao atingir a marca onde somente mais um iria lhe ajudar a chegar ao fim.

Não acreditando no que ocorreu - não conseguir levantar o peso para ser completo seu exercício logo no último -, o garoto descansou pelo resto da tardezinha até o anoitecer, onde voltou a pegar os pesos brancos e começou novamente a realizar os levantamentos. Chega ao trinta agora, aonde começa a sentir seu braço, porém realiza até o trigésimo quinto levantamento antes de sentir-se exausto e não conseguir mais levantar. Havia conseguido os trinta e até superou a marca em cada braço, expandindo a trinta e cinco sua marca. Confiante decidiu passar para o próximo que era de coloração vermelha. Acharam mesmo que tinha acabado? Acostumado com algumas tentativas no peso anterior, sentiu a diferença entre os dois. Novamente começou a realizar os movimentos, mas logo após o fim do anterior. Mal conseguiu chegar ao quinto levantamento antes de ter que soltar ambos ao seu lado, exausto. Resolveu continuar somente no próximo dia seu treinamento. Ficou tão empolgado com o crescimento do tamanho dos pesos erguidos que esqueceu até da fome e tentou ir dormir logo para acordar cedo e continuar. Claro que sua mãe o chamou para jantar e ele ainda teria a academia, mas isso não desanimou o entusiasmado garoto.

Voltou da academia cheio de energia dessa vez, pronto para continuar seu treinamento. Pegando os pesos de cor vermelha começou a levantar nos mesmos exercícios, mas agora muito mais cheio de energia. Fez agora um pouco mais de dez levantamentos com cada braço, fora a sua melhor performance considerando o peso que estava levantando e o tempo que treinou sendo curto, também sua idade, era um feito muito grande. Repetiu os mesmos passos da tentativa anterior, conseguindo assim assegurar-se por concluir próximo às vinte vezes em cada braço. Estava quase chegando em sua meta a qual o permitiria chegar ao último peso daquele conjunto de equipamentos. Após mais quatro tentativas realizadas, com o intervalo crescendo cada vez mais entre elas, o jovem Hayabusa conseguiu finalmente realizar o máximo de trinta e três levantamentos, o que permitiu passar seu treinamento para o próximo e tão aguardado último peso.

Este último peso possuía a cor preta, o único que intimidava o garoto, pois a diferença entre o branco a qual começou a sentir dificuldades e o preto eram enormes, sem comparar com a cor vermelha entre os dois. Sabendo que seria o mais difícil e doloroso treinamento que já havia realizado até ali, mas sem deixar ser vencido, ele enfim começou a levantar o equipamento lentamente, sentindo cada movimento nos braços. Dessa vez ele não conseguiu levantar nem cinco vezes cada um dos pesos, e teve assim que esperar um período bom de tempo novamente para realizar outra tentativa, sendo essa com um aumento de apenas três execuções, ou seja, quase nenhum progresso se comparado a velocidade com que vinha progredindo. O garoto encontrou a sua maior dificuldade neste peso, porém ia aumentando aos poucos a cada tentativa feita. Como sendo o mais difícil, claramente seria o mais demorado a se completar, e isso significa que ele teve mais um dia de aula antes de finalizar essa parte do treinamento, tendo dormido e seguido para a academia pela manhã do próximo dia. Demorou mais de vinte tentativas para assim puder levantar as trinta execuções de exercício sem parar para descansar, com o intervalo entre elas aumentando a cada nova tentativa e após seu ápice de uma noite inteira, voltando a diminuir enquanto ele sentia-se cada vez menos cansado. Ao final, seus braços estavam completamente exaustos e sua mãe o chamou novamente para o jantar.

Os próximos dois dias eram dias sem aula, então ele teria muito mais tempo para aproveitar seu treinamento. Após acordar e tomar um bom café da manhã, Sajin voltou ao quintal para continuar seu treinamento. Havia separado todos os equipamentos em um canto coberto, para caso chovesse, e teve sorte de não molharem, sujarem ou serem roubados de nenhuma forma, então estavam ali preparados para ele voltar a utilizá-los. Procurou alguma coisa para aprimorar agora sua perna, afinal já havia treinado os braços, e achou pesos de treinamento grandes que pareciam meias para serem vestidas e utilizadas. O que pegou primeiro, e o menor deles, era um peso de cor cinza, um para cada pernas é claro. Fácil de usá-los, serviria direito ao garoto, afinal não podia fortalecer somente uma parte do corpo, e aproveitaria o descanso dos braços para fortalecer a outra metade do corpo. Já com o peso em sua perna ajustados e prontos, o garoto pega um tipo de colchonete e estende no chão para poder se deitar nele e fica levantando cada pé de uma vez, alternando entre os dois, como se chutasse o ar para cima.

Na primeira sequência feita, o jovem aguentou ficar fazendo o mesmo movimento sequencialmente durante quase dez minutos. Dessa vez ele não contou a quantidade de movimentos repetidos realizou, somente o tempo em que havia começado para saber se iria conseguir treinar bastante durante esses dias de folga da academia. A meta dele para este é ficar seguidamente uma hora realizando o movimento para cima, sem cansar, o que lhe garantiria além de força nas pernas, mais vigor geral para o corpo, e isso iria auxiliá-lo também a treinar dali para frente. Já na segunda tentativa, não mudou muita coisa comparado a primeira vez, ele conseguiu ficar apenas uns três minutos a mais do que anteriormente. Seu objetivo havia se tornado conseguir até o dia anoitecer, para que no dia seguinte testasse os equipamentos para ver se progrediu. As tentativas estavam aumentando pouco a pouco, até a quarta tentativa estava entre dezessete e dezoito minutos, porém a partir da quarta estava aumentando apenas um minuto ou menos a cada nova execução, e precisava de muito tempo de descanso para poder voltar a treinar entre uma tentativa e outra, pois suas pernas doíam fortemente.

Continuando com o exercício, conseguiu com um descanso maior antes de uma nova tentativa quase vinte e cinco minutos. Ainda faltava mais trinta e cinco para a sua meta, mas comparado ao início do treino, era um avanço e tanto. O dia parecia voar de tão rápido que passava realizando este treino, que era feito por minutos, então cada tentativa comia parte da hora, mais o descanso, já completava assim o tempo para o relógio completar um ciclo. Já havia almoçado agora, e ainda tentava mais, alcançando valores cada vez mais significativos e chegando perto de seu objetivo, e também de seu prazo limite. parou novamente por mais alguns minutos, o garoto continuava fazendo algo próximo a quarenta minutos quando finalmente o dia começou a tornar-se noite. o céu começara a escurecer e ele estava agora tentando algumas últimas chances de completar seu objetivo, até cansar-se totalmente e entrar para o jantar. De primeira tentativa o jovem agora conseguiu cinquenta e cinco minutos, estava quase lá, tentou por mais três seguidas e completou a uma hora consecutiva com os pesos nas pernas. Já havia passado um pouco da hora habitual de almoço, e agora a dor excruciante era nas pernas.

Com muita dificuldade o garoto entra em sua casa, vai até onde encontrava-se sua comida esfriando que sua mãe preparou carinhosamente para ele, e comeu o que conseguiu. Seu corpo todo doía, e ele deitou-se como uma pedra, jogando-se na cama e dormindo quase instantaneamente.

Palavras: 2013
Hidetomo Sajin
Hidetomo Sajin
Mercenário | Rank D+
Mercenário | Rank D+


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [O Falcão Celeste] Treinos de um Guerreiro Honrado

Mensagem por Hidetomo Sajin em Qui Dez 13, 2018 2:58 pm

Resistência
Neste treinamento o usuário deve estimular seu corpo em geral. Músculos, ossos e pele, quanto mais rígidos estes forem, mais difícil será penetrá-los. Nos tempos antigos trabalhava-se na resistência através da auto-flagelação. Uma boa alimentação também é essencial.

O outro dia começa e o garoto não estava com muitas dores graças a sua resistência alta e bastante energia. Ser novo era bom por causa disso. Estava apto a testar cada um dos dois objetos que treinou para ver se deu resultado, então Sajin parte para a sua rotina matinal antes de ir pra fora realizar o teste. O garoto começa com o treino que fez primeiro, o dos pesos dos braços, exclusivamente o da cor preta. Então começa a executar suas repetições. Ele realizou ao total sessenta vezes levantando-os em cada braço, porém parou quando começa a sentir um pouco de dor, pois não queria se esforçar demais. Poderia ter feito muito mais, se quisesse. Era agora a hora de testar os das pernas. Amarrando os pesos nas pernas com velocidade e habilidade, o garoto realiza novamente seu exercício, querendo verificar qual seria o máximo que podia realizar com todo o treinamento que teve nos últimos dias. Conseguiu atingir uma sequência de mais de uma hora e meia, um ganho percentual muito bom se comparado ao que quase não conseguiu fazer durante o treinamento em execução. Estava de fato deveras satisfeito com o resultado.

Porém ainda não estava completo. Ainda restavam dois itens dos mesmos utilizados nos treinos anteriores para ganhar força física e um padrão de levantamento, só que bem mais pesados. Quase que o triplo do qual o garoto utilizou em seu teste para ver se estava ficando mais forte, naquele momento. Pegando primeiro, iniciaria novamente pelos braços, Sajin começou a realizar as execuções de exercícios. A sua meta agora não era mais atingir trinta vezes o levantamento consecutivo e sem parar para descansar, ele gostaria de ver até onde poderia chegar com esses pesos tão superiores aos que ele estava acostumado a realizar.

O garoto começou novamente seu treinamento, dessa primeira vez executando apenas doze levantamentos. Sabia que seria difícil porém não desistiu, se mantendo firme, seguindo seus descansos e evoluindo aos poucos suas tentativas. Sajin continuou por um longo período de tempo e sabia que seria impossível evoluir tanto em tão pouco tempo, ao final do dia estava apenas na vigésima execução seguida, o que era uma evolução considerável, mas muito menos do que ele queria. Então deixaria para finalizar o que faltava no início do próximo dia. Jantar delicioso, descanso, e aula, agora voltando após o descanso de dois dias. Claro que o descanso dele foi mais treinamento, então chegou totalmente sem energia na volta às aulas após os dias sem, o que fez o professor do garoto não entender nada.

Começando novamente, ele estava executando dessa vez um pouco mais de trinta levantamentos na série, e continuou-o a realizar seguidamente seu treinamento por algumas horas que pareciam passar como minutos de tão rápidas que eram, ainda seguindo seu treinamento pesado. Chegou aos quarenta e poucos levantamentos neste dia, e novamente jantou e foi dormir. Como almoçava na academia, ele conseguia chegar e já treinar de uma vez, tendo sempre energia e aproveitava o tempo fora de casa para mais descansar do que realmente se exercitar durante as aulas. Faltavam poucas execuções para ele ficar satisfeito, sentia que podia evoluir ainda mais, mas por hora seria o suficiente. Seu corpo agora parecia não ganhar mais tanta força, mas sim resistir mais às duras tentativas de erguer o peso e ganhou ainda mais vitalidade para poder seguir seu treinamento, como tinha esperado do treino das pernas alguns dias atrás. Seu corpo doía mais do que só o braço, vários músculos percorrendo toda a parte de cima do corpo pareciam ter sido tensionados, e ele sentia o corpo mais rígido. De toda forma, continuou para a próxima parte do treinamento, finalizando suas execuções em mais algumas poucas tentativas, finalizando seu dia com esse treinamento, indo jantar e descansar para começar o próximo no outro dia.

Satisfeito com o treino do dia anterior, agora já em um novo dia, após a academia, o garoto pega o peso para as pernas, bem mais pesados que os antigos do treinamento passado, e então começa a amarrá-los nas pernas de forma bem menos ágil, o peso grande atrapalhava até para prender o equipamento, imagina levantá-lo. Deitou novamente levantando as pernas ao mesmo tempo, como se testando os pesos, e viu a diferença brutal entre eles. Novamente começou seu treinamento aos poucos, e seria por tempo mais uma vez, e isso faria o dia passar rápido, mas o maior medo dele era não estar resistente o bastante para suportar o treino e depois manter-se em pé. Mas aos poucos seu corpo estava ganhando mais energia e ficando mais rígido, sentia os músculos se contraírem de forma correta e ganhar mais potência, então era óbvio a evolução do corpo na questão de resistir e continuar o treino.

O objetivo dele era bem mais rápido que da última vez; seria de quarenta minutos. Porém era quase o triplo do peso do treino anterior, o que poderia também demorar mais para atingir. O garoto pela primeira tentativa conseguiu ficar um tempo considerável com os movimentos, mesmo mais lentos, ainda assim resistiu bem à mudança de peso e forçou-se evoluir mais o corpo para conseguir aguentar ainda mais, e mesmo não sendo nem perto do objetivo, ele ficou muito satisfeito com sua conquista, mas o pior estava por vir a seguir.

O garoto fora indo e aumentava bem pouco tempo a cada nova execução, e depois de mais de quase seis horas treinadas, chegou aos vinte minutos, metade de tempo que colocou como objetivo. Continuando assim o garoto fora treinando até realizar os quarenta que havia prometido a si mesmo, já no próximo dia, tendo grande dificuldade em ir para a academia no dia seguinte por dores nas pernas e dificuldade de locomoção. As horas se passavam e o dia escurecera novamente enquanto Sajin não havia terminado, estava em quarenta e cinco minutos, acima do que queria, mas havia sobrado um tempo ainda naquela noite para que ele continuasse seu treinamento.

Então ficou esperando por um tempo a mais do que o normal, aproveitando a brisa da noite fria e, ao voltar a treinar novamente, onde evoluiu mais ainda seu tempo aproximando-se da uma hora que era o padrão de tempo para o treino anterior. Não sentia-se mais forte desde que parou de treinar com os pesos menores, sentia-se mais resistente, afinal o tempo de treino demorou mais, e os movimentos foram mais lentos. Seus braços e pernas não podiam evoluir mais ainda sua força naquele momento, mas sua resistência geral, aguentar mais e mais tempo aos poucos, tudo isso foi se fortificando com esse último desafio. O treinamento haveria encerrado, entretanto agora estava com dores tremendas. O garoto entrou em casa quase aos trancos, do jeito que pôde e repetindo os passos do dia anterior, jantando e indo direto para a cama, dormindo novamente exausto instantaneamente. Havia evoluído bastante naquela semana.

Palavras: 1148
Hidetomo Sajin
Hidetomo Sajin
Mercenário | Rank D+
Mercenário | Rank D+


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [O Falcão Celeste] Treinos de um Guerreiro Honrado

Mensagem por Hidetomo Sajin em Qui Dez 13, 2018 3:31 pm

Monkīkikku
Defesa do macaco
Rank: C

Um raro taijutsu defensivo, já que lutadores desse tipo geralmente visam o ataque e acabam se esquecendo da defesa. A técnica usa dois chutes consecutivos, um de defesa e outro de contra ataque. Os chutes são consecutivos e visam deixar o usuário ileso do golpe deferido, alem de derrubar o alvo, com um chute no peito. O primeiro chute visa bloquear e parar um soco do adversário, ainda no ar, o ninja desfere um chute com a outra perna, no peito do oponente.
Nota: É necessária velocidade mínima de 4 pontos
Nota²: Só pode ser usado como contra ataque, ou seja, após receber um golpe.

Novamente fora convocado por seu pai para um treino, o que era raridade. De qualquer modo, acordou cedo naquela fria manhã no País dos Campos de Arroz e sua mãe rapidamente foi logo preparar algo para comer, afinal era cuidadosa demais com ele, e mesmo ele sabendo se virar ela não deixaria ele fazer o café antes de um treino. (Mas não engordava, vai entender o metabolismo desses jovens. Ela preparou com cuidado e carinho algo que o fizesse permanecer satisfeito durante o treino, ou ao menos parte dele. Novamente comia rapidamente e com visível gosto a comida quando seu pai bateu à porta da cozinha, entrando para também se alimentar. Seu pai sentou-se, observou a ambos e também seu prato e começou a comer calado. Parecia concentrado, ele era sempre bastante alegre, e era raro ver ele daquela forma.

"Bom dia papai. Está tudo bem com você?" O garoto realmente estava preocupado, não era comum ver o homem daquela forma e seu olhar de piedade fez com que seu pai lhe devolvesse um sorriso carinhoso e quente, respondendo gentilmente sua pergunta.

"Está sim meu filho. Estou pensando se não é cedo demais para você aprender uma técnica como essa, mas ela será muito boa para você se defender." O garoto não entendeu bem o que o pai quis dizer, mas de qualquer modo Hayabusa Sajin, antes de ter que usar o sobrenome da mãe ao fugir do País dos Campos de Arroz, se sentou e comeu, mais calmamente, de forma educada. O clima mudou totalmente quando aquela simples troca de palavras aconteceu, e Sajin começou a se animar para o treinamento que logo viria, comeu rapidamente, mesmo de forma controlada, lavou seu prato e talheres e arrumou suas roupas. Estava pronto.  

Bem, eles saíram para o quintal e foram diretamente para o mesmo local do treino anterior que tiveram juntos, no dojo ainda dentro dos limites da residência. Era época de inverno, então nevava um pouco na região, e mesmo se esforçando muito, ele ainda tremia um pouco com o vento frio batendo em seu corpo (O garoto estava com vestes de frio, mas o pai dele não, e parecia não ter problemas com isso), e logo ele começou a falar.

"Sabe onde todos os usuários de Taijutsu normalmente pecam?" A pergunta foi direta, e ele não chegou a olhar para o garoto para perguntar, estava de costas.

"Sei lá. Cada um é ruim em alguma coisa." Ele deu de ombros e cruzou os braços, estava ainda preocupado com seu frio, e querendo se esquentar..

"Todos têm um ponto fraco diferente, com certeza, mas acima de tudo, todos têm um ponto fraco em comum. Eles não se importam muito com a defesa. Vou te ensinar uma técnica que irá lhe ajudar a contra-atacar um golpe, defendendo-se por completo e então o devolvendo com força total. Venha, tente me acertar."

O garoto então parte em disparada e mira a cabeça do pai com um soco, mas logo ele chuta o punho de Sajin para o lado e por fim desfere um outro chute atingindo-o no peito levemente. O garoto voou para trás com o impulso do pai e atingiu uma parede, mas mesmo com as costas doloridas, ele ainda assim levantou-se e se preparou para a próxima. Mas o homem levantou as mãos na direção dele e as balançou, como que para parar.

"Agora é sua vez, treine um pouco com nosso boneco de madeira que é feito para esse tipo de coisa mesmo até conseguir a sequência de golpes, depois testamos um contra o outro." E assim começou o treinamento, e assim como no anterior, o garoto iria começar, em vez de tentar a técnica logo de primeira, aprimorar seu corpo para poder utilizar a técnica. Logo ele começou chutando o boneco, e dessa vez ele pretendia calejar sua perna para que os chutes doesse menos e ele ficasse ainda mais resistente. Passou a chutar seguidamente o mesmo ponto da madeira, querendo ganhar resistência por partes, e mesmo sem executar o movimento completo ele ainda assim via evolução. Tinha medo, claro, de algum golpe ser forte demais e pegar alguma parte do boneco que estivesse com madeira para fora e se cortar, ou acabar quebrando o mesmo e alguma lasca prender em sua perna, então tinha calma e cuidado junto com a pressão e dor que sentia na perna em sua tentativa de ficar mais resistente. Não seria nada agradável se acontecesse. De qualquer modo, chutava revezando as pernas (parecendo um completo retardado, mas ao menos o seu pai que estava o treinando não questionou), e tentava aprimorar a velocidade dos movimentos em comparação com a dor que sentia. Como era um contra ataque, teria que ser rápido e preciso, então treinar o movimento com velocidade era essencial, mesmo sendo também a resistência um fator importante. A velocidade de seus movimentos ajudaria a executar a técnica, e a resistência a defender o golpe antes de contra-atacar. Basicamente passou o dia todo aprimorando a seu corpo, e quando chegou ao entardecer, começou.

E então com isto, sua mente começou a trabalhar de forma absurda, como um verdadeiro ninja que um dia seria. Sabia que aquele tipo de madeira era bem resistente graças à sua experiência com aquele boneco nos últimos treinamentos, e também sabia que mesmo estando bem forte, seu pai o utilizava as vezes e ele era com certeza muito mais poderoso.. Seu treinamento então mudou, agora iria pular e chutar primeiro um braço e depois o tronco do boneco em si, vendo se conseguia se defender e contra atacar. A força aplicada tinha de ser equivalente para no mínimo lançar o boneco até a parede, ou causar algum dano visível, e a aplicação da mesma podia ser aumentada jogando seu peso contra o alvo, como dito por seu pai e repensado no momento. Entretanto quando foi executar a técnica, pouco antes, pensou que a força não era realmente o que ele tinha que aplicar, somente precisava fazer com que o alvo não lhe atingisse e ganhar alguma vantagem com isso. Talvez não precisasse destruir o boneco no chute. O garoto então analisa a situação e se prepara para um golpe mais efetivo, concentrando-se novamente em um único ponto, o ponto mais frágil, obviamente, e agora com maior entendimento sobre toda a situação, ele imagina um oponente vindo em sua direção, e então pulou, chutando primeiramente o braço, que se partiu novamente por ser fino e teria que ser colado novamente com fita, e então metendo o pé no boneco, lançando o mesmo longe contra a parede que ao bater nela, caiu no chão.

Seu pai se aproximou e parabenizou o garoto pelo feito, mas queria ver se funcionaria de verdade. Ele então mirou um soco no garoto que, por estar pegando o boneco do chão depois de ter derrubado ele, foi atingido. Após ver o boneco erguido e seu filho não, ele se desculpou e ajudou o mesmo a se levantar e limpar as roupas. Depois voltou a mirar um golpe no garoto, que defendeu o soco com um chute, jogando o braço do pai para o lado, e atingiu outro chute no peito do mesmo, impulsionando-se para trás, jogando o homem no chão, e girando no ar, se re-posicionando em pé mais atrás. Foi um belo movimento. Parece que realmente seria útil aquela técnica.

Palavras: 1227
Hidetomo Sajin
Hidetomo Sajin
Mercenário | Rank D+
Mercenário | Rank D+


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [O Falcão Celeste] Treinos de um Guerreiro Honrado

Mensagem por Hidetomo Sajin em Qui Dez 20, 2018 2:20 pm

Hayabusa no Unkou, Sanren
Vôo do Falcão Peregrino, Série Três
Rank: B
Taijutsu

A arte ofensiva que tornou o fundador do clã conhecido como “Shiro das Imagens Fantasmas” nas gerações seguintes de seus descendentes. O ninja se move por dois posts inteiros de tal forma a criar imagens ilusórias de seu movimento por onde passa, criadas através da aceleração e distorção ótica. Uma imagem é criada a cada 2 pontos de velocidade do usuário, confundindo inimigos e abrindo a guarda de vítimas de seus ataques.
Sistema: convoca-se um narrador ou moderador e diz um número dentre a quantidade de ninjas que aparecem (p.ex: se eu crio duas imagens falsas naqueles dois posts, é de 1 a 3 o número). O inimigo tem de acertar o número no post que declara seu ataque, do contrário afeta apenas uma imagem falsa.

Não era um dia comum. Não para Sajin, um aprendiz em sua missão.

Faltavam alguns poucos dias para voltarem para Amegakure, organizadora do Chuunin Shiken, onde enfim a final aconteceria e o garoto, empolgado, sonhava com todas as lutas que veria e como funcionaria a parte de combates. Seu professor na academia não pôde treiná-lo na última semana em despeito deste evento, afinal tinha que resolver assuntos com a cúpula da vila. Então, o garoto completamente empolgado pôs-se a treinar feito louco por conta própria, em um lugar afastado, sendo levado lá por seu pai. Lá, no meio da floresta, ouviu barulhos estranhos. Pareciam de uma movimentação em alta velocidade. Ou era um Hayabusa, provavelmente seu pai voltando com comida, ou era alguém muito, muito rápido, que pudesse ultrapassar o poder do Shinsoku. Impossível. Ninguém se movia em velocidades tão altas quanto os Hayabusa. Quando Sajin se virou, uma surpresa.

A garota que apareceu em sua frente era bela, mas parecia mortal; estava parada, observando, com uma Katana apontada para ele. A cena era um pouco curiosa. Ela colocava a ponta da Katana na “parte debaixo” da boca do garoto, sem perfurá-la. E sua cabeça está perto do ouvido dele, quando a mesma começa a sussurrar baixinho.

“Se eu te quisesse morto, já teria mandado há muito tempo.”

“E quem é você afinal?”

“Ora, senti saudades do meu primo querido. Eu sou Hayabusa Emiko, e minha mãe morreu para proteger sua mãe. Sabe, é triste pensar que o filho dela é tão insignificante quanto a mãe, mas eu tenho uma quedinha por fracotes. De toda forma, você tem um apego especial por aquele garoto, Unkai, não é verdade? Ele é um pequeno talento da atualidade, nada demais, mas todos o veneram como um grande poder. Eu poderia eliminar ele facilmente também, mas isso deixaria meu pai chateado, e ele não tem mais condição de se decepcionar. Meu irmão babaca não é tão bom quanto gostaria que fosse.”

“Como você sabe de tudo isso? Espera... Irmão?!”

“Realmente não sabe nada sobre sua família, Sajin.”

Sajin engoliu seco. Ele tinha a impressão que Emiko não veio para matá-lo, e o garoto estava correto. Ela ainda tinha um resquício de orgulho do sacrifício que sua mãe teve para proteger a mãe dele, mesmo também sentindo raiva. Mas no fundo ela gostava de Sajin, mesmo ele não sabendo quem ela era.

“Vou te ensinar a técnica que fez o lendário Hayabusa Shiro ser chamado de ‘Shiro das Imagens Fantasmas’.”

“Não quero nada vindo de você. Nem sei se o que você fala é verdade!.”

“Você não tem opção. E se no meio do treinamento eu achar que você não merece sequer o nome que carrega, eu vou cortar seu pescoço e levá-lo diretamente ao meu pai. E conhecendo-o bem, ele vai me dar uma medalha de honra por eliminar alguém que não honra o clã.”

“Você sabe que não poderá sair daqui sem uma luta, não é?”

“Você conversa demais, Sajin. E promete o que não pode cumprir.”

Ela se distancia dele, e mesmo sendo dois ou três anos mais velha do que ele, ela é pequena e parece ser fraca, então medem mais ou menos a mesma altura, mas é absurdamente mais rápida que ele, e move-se com uma leveza que ele nunca viu. Ele não faz nada. Só espera ela se afastar.

“Se quiser me matar, me mate. Terá sua última chance de fazê-lo, garoto.”

Ela abre os braços e sorri. Ele pega a sua Katana, e focaliza toda a raiva e frustração que sentia. Toda aquela confusão, seu pai desaparecido até aquele momento, ela tendo chegado ali sem nenhuma informação, falado um monte de coisas. Sua mãe realmente era fraca? Ele sentia raiva, mas acima de tudo, sentia-se fraco perto dela. E não podia ser assim. Entretanto… Ele não se deixou levar, e com um urro de raiva, parte para cima dela. Mas pára, ao encostar a ponta da lâmina na barriga da garota.

Ela sorriu de uma forma cruel, mas ele se manteve calado. Sabia que não teria capacidade para fazer aquilo. E se culpava por ainda ser emotivo e fraco. Ele não admitia isso. Esse episódio marcou a mudança de personalidade de Sajin, de não se envolver muito com as pessoas, com medo de criar laços que devessem ser quebrados no futuro. Sentimentos causavam problemas. Talvez se não tivesse nenhum pingo de sentimentalismo, tivesse coragem de transpassá-la com sua lâmina e se livrar desse sentimento de raiva de uma vez; mas não conseguiu.

“Então... Vamos começar! Essa técnica já é um pouco mais difícil dos que as quatro que sei que você sabe. Se você não conseguir dominar isso, eu irei retirar a sua bandana agora mesmo. Vôo do Falcão Peregrino, Série Três.”

E ela disparou ao redor de Sajin, levantando fumaça. A imagem ilusória dela era deixada pelo rastro. E Sajin não sabia distinguir o que era real, do que era falso.

“Ataque! Tente a sorte.”

E ele avançou contra uma imagem, mas não conseguiu atingi-la. Era apenas uma imagem falsa daquela mulher. Logo após, Sajin é parado por uma chave de pescoço, e com uma Katana na lateral da sua barriga. Ele ficou impressionado com a velocidade demonstrada por ela.

“Viu o que alguém faz quando você acaba abaixando a guarda?”

“É, eu vi. Essa técnica é muito poderosa... tem certeza que eu tenho capacidade de aprendê-la?”

“Você tá me chamando de idiota? Quem você acha que está te ensinando, seu pai, aquele velho decrépito cheio de burocracia? Não. Quem está te ensinando sou eu. E você tem até o fim desse dia pra aprender. Do contrário, sua vida é minha. E eu vou retalhar seu corpo e dar os pedacinhos para um cachorro. E vou pessoalmente avisar a vila sobre o seu sumiço. E alego que você se exilou e nunca mais será visto. E você se tornará uma vergonha para sua família, mesmo morto. E será taxado de traidor, garoto. Eu sei que isso é o que você tem mais repúdio.”

A filosofia de treinamento dela não era correta, mas era eficiente. Sajin agora ficou com medo de ter sua honra ferida por uma morte, e um legado desonroso.

“Ah, ok. Vejo que se motivou. Muito bem, garoto. Muito bem. Essa é a arte ofensiva que tornou o fundador do clã conhecido como ‘Shiro das Imagens Fantasmas’ nas gerações seguintes de seus descendentes. O ninja se move por algum tempo, de tal forma a criar imagens ilusórias de seu movimento por onde passa ,criadas através da aceleração e distorção ótica, entende? Tem que utilizar nossa linhagem avançada ao extremo para fazer isso. Só assim, será feliz em conseguir fazer uma técnica desse nível.”

E ele agora começava se concentrar ainda mais, para permanecer vivo. Ele corria, e só levantava poeira. Nada mais que isso. A garota somente dava risada, segurando a barriga. E o Hayabusa não se assustou, e nem deu ouvidos. Só quis aprender aquilo logo. E acelerava, utilizando o máximo do seu poder.

“Primeiro Portão... Abra!”

E para ser ainda mais rápido, abriu o primeiro portão. E a garota continuava dando risadas. Após o portão se fechar, ela sabia que seus músculos seriam estirados... A não ser que ele abrisse o segundo portão. Mas não seria dessa vez. Ele conseguia criar, as imagens apareciam, e ela começava a observar. O garoto começava a aprender técnicas importantes para alcançar seus objetivos de se tornar mais forte.

“Se prepare. Eu vou matá-la! Agora!”

E ele sacou sua Katana. Ela esperava a atitude infantil do garoto. E defendeu o ataque. Sabia que tinha que ser rápido, pois quando o portão se fechasse, não teria mais chance nenhuma contra ela. E nem com os três portões que conhecia abertos, ele teria chances contra aquela velocidade que ela possuía. Ela se virou e desferiu um golpe com a lâmina, com extrema tranqüilidade. E Sajin desviava com dificuldade, usando seus reflexos. E após pegar uma distância, utiliza a série um do falcão peregrino, para perfurar a garota com a adição dada pela técnica. Mas ela consegue desviar, e o garoto fica de costas para ela. A adolescente se vira, e desfere um soco poderoso em suas costas, quando seu pai enfim apareceu. Ele caiu no chão, parecia humilhado. Ela riu.

“Tio, seu filho não é qualquer lixo. Você tinha razão quando pediu para eu aparecer para dar um oi.”

E sumiu com uma nuvem de fumaça. Sajin foi levado para a vila, para descansar, e para finalizar o treinamento com novos testes. Claro que voltou a treinar aquilo por mais muitos dias até dominar totalmente suas habilidades, mas foi um dia interessante de treinamentos. Precisava ficar mais forte do que ela.

Palavras: 1450
Hidetomo Sajin
Hidetomo Sajin
Mercenário | Rank D+
Mercenário | Rank D+


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [O Falcão Celeste] Treinos de um Guerreiro Honrado

Mensagem por Hidetomo Sajin em Qui Dez 20, 2018 3:27 pm

Hayabusa no Unkou, Goren
Vôo do Falcão Peregrino, Série Cinco
Rank: A
Taijutsu

Aquele que domina este Taijutsu já tem requisito para ser chamado de “herdeiro do fundador” em todos os níveis, porque é o golpe supremo criado por Hayabusa Shiro. Ele é chamado de As Garras do Falcão dos Céus, e consiste em mover em uma investida ultra-veloz os braços e pernas com poder cortante. Energia física tremenda é investida nos ataques, que podem fazer mãos cortarem rocha como faca na manteiga e multiplicar o poder de corte de uma katana a um nível absurdo. A energia cinética dos ataques continua alguns centímetros para além do ninja, então uma esquiva de raspão pode ainda ser perigosa para o defensor, que termina cortado mesmo que escape por pouco - ou bloqueie achando que é um ataque normal. Sua duração total é de três posts.
Não é considerado Fuuton, apesar de se assemelhar ao resultado de poder de corte acrescido a um golpe.

Diferente de um ninja comum, Sajin tinha suas artimanhas especiais para aprender ou conquistar algo. Era um homem extremamente bonito e sedutor, mas ele não liga tanto para esse seu lado, e o utiliza freqüentemente em missões. Não tem culpa. Faz isso por sua sobrevivência e honra, por aqueles que protege e cuida, e isso é algo extremamente admirável, nobre. Ele não mede esforços para ajudar as pessoas. Mas naquela época, em que havia acabado de aprender mais sobre alguns elementos do mundo, aconteciam coisas estranhas. Ele se retirava para treinar. Meditação. Concentrava-se, e ouvia todos os barulhos que o rodeava. Sua audição naquele estado era extrema, por conta da concentração. Ouvia os pássaros cantarem, o vento soprar, e as folhas caindo no chão. Era de uma sutileza incompreensível. Logo, se levanta, ensaiando movimentos leves como o vento. Suaves e sutis. Mas antes, muita história foi contada. Ele teve que provar ser merecedor de muita coisa para poder gozar de respeito para com seus companheiros e protegidos.

Estava treinando movimentos de Taijutsu isolado, no interior do país dos campos de arroz. Ele sabia que ali não seria incomodado, e seu pai lhe deu permissão para tal, já que proibiu o garoto a se formar na academia quando chegou a hora, e agora ele já poderia estar atingindo o nível de Chuunin neste evento que se aproximava, mas estava ali, perdido em pensamentos, enquanto o homem comandava uma equipe ninja. Seus pensamentos eram somente ligados à se tornar cada vez mais forte, mais até do que seu pai. E a Emiko, por conseqüência. Ele tinha ódio da moça. Era uma pessoa sentimental, mas por fora, transparece um ninja muito frio. E com truques e macetes para cumprir seus objetivos. Shinobi.

Na última vez em que a maldita apareceu, ensinou uma técnica avançada do Clã Hayabusa. Mas ele não esperava outro favor por parte dela. E se houvesse chance para dizimá-la, não pensaria duas vezes. Ou não. Ele se perguntava.

“Droga. Hesitei.”

Sim, ele pensava nela freqüentemente. Mas a sua casca fria e intransponível abafava isso com facilidade. A imagem de Sajin sorrindo ia se apagando das memórias das pessoas, assim que ele terminou os estudos na academia. Raro. Raríssimo. Desde então, sempre foi alguém sério e profissional. Não reclamava de trabalhos, e sempre estava pronto para ajudar a vila. Ele sabia que tinha que se treinar para não hesitar, por isso evitava vínculos sentimentais. Laços atrapalhavam. Todo Shinobi sabia disso. Laços atrapalham. É por isso que ele podia hoje, ser um herói em toda a vila, e ser aclamado no clã, caso conseguisse mostrar seu potencial.

Isolado, na floresta, onde ia ficar por umas semanas, com uma vasta lista de Taijutsus para aprender, alugou uma cabana, e trouxe comida. Tudo custeado pelo seu pai. O objetivo, como já foi dito, era se isolar para aprender com mais facilidade. Voltar mais poderoso. Mas como ele já deveria prever, lá estava ela, observando os passos do garoto. Ele abre os olhos, e olha para a árvore onde ela está com feição insensível e desprovida de sentimentos. Dá um leve toque em sua Katana, ainda embainhada, sinal de que um combate iria acontecer. Ela sorri como se não tivesse intimidada.

E assim que Sajin pisca, ela está em sua frente, com sua Katana. Ele desembainha a sua com velocidade, e defende o golpe que ela ia desferir caso não fosse interceptada. Reflexos apurados. A feição de Emiko não parecia preocupada, ou inspirava algum tipo de reação por parte do garoto. Ela parecia que não estava ligando para o combate, ou para o que ele apresentou, conseguindo acompanhar sua velocidade, e defendendo cada golpe de espada. Até que ela saca uma segunda, e a deixa deslizar pelo ar, pegando Sajin desprevenido, e corta sua roupa. O golpe deixa à mostra o corpo esculpido do Hayabusa. E ela subitamente para o ataque, e agora sim, esboça reação com o que via.

“Andou treinando. Vi que progrediu. Mas não tanto quanto eu, é um fato. Você sabe que precisará treinar muito para me derrotar. Mas eu...”

Ela pára, e vira de costas para o garoto, que não perde tempo. Avança contra ela com sua Katana em mãos, e com vontade de matar. A intenção assassina dele era sentida por Emiko, que se vira rapidamente, com sua lâmina e defende o ataque de Sajin, o olhando nos olhos. Ela ri, ainda com as espadas cruzadas.

“Olha só... o garotinho tomou coragem de atacar... tenho que admitir que por essa eu não esperava.”

Ela olha para o chão, e se fixa novamente no aprendiz.

“Mentira, eu esperava sim. Só que eu esperava mais rápido.”

Ela usa a força para empurrar o garoto, e desfere vários golpes rápidos de Katana, e ele consegue defender todos, com muita dificuldade, e alguns apenas com a intuição e reflexos bem apurados. Estava crescendo, e ficando mais forte. Tanto é que mesmo com sorte, conseguiu desviar de seus ataques. Mas numa manobra bem elaborada, ela consegue retirar a Katana dele, e o segura pela gola da camisa, o colocando de costas para uma árvore. E o olha nos olhos, como sempre fez. O rosto parecia endurecido e a aura de combate era agressiva, feroz. Parecia que tinha a intenção, agora, de matar o garoto. A sensação, para ele, era muito ampla e dolorosa. Era uma pressão tão forte, que parecia que seus ossos iam se esmigalhar.

“Faça rápido. Mas faça. Mate-me.”

As palavras de Sajin saem falhadas. Ela deixa de pegar ele pela gola, e pega pelo pescoço, o levantando. E levanta o punho contra ele. E desfere um soco. Ela não parava de olhar para o rosto dele. Isso atrapalhava o garoto. Ele não conseguia pensar, pois o rosto que ele admirava estava ali na sua frente. E mais do que isso, era um rosto lindo! Com o soco, Sajin cai no chão, e ela ri.

“Droga... você é um idiota, Sajin. Um idiota. Mas eu vou te ajudar pela última vez. É a última vez que vou ajudar você. Vou te ensinar a Série Cinco do Falcão Peregrino. Vai ajudar você a concluir seus propósitos e objetivos. E de algum modo, vai te ajudar nessa sua tarefa. Temos maneiras diferentes de pensar sobre prosperidade. Eu não consigo pensar no povo de outras vilas com bons olhos. Pra mim, somente a minha vila interessa. Mas mesmo sabendo que não posso mudar a minha maneira de pensar para algo parecido com a sua, vou te ajudar, pois acho que a sua causa é nobre, e eu admito isso. Mas isso não muda nada.”

Ela se levanta, e se concentra, já pronta para fazer uma demonstração de poder da técnica que iria ensiná-lo. Ele não poderia dizer não. Ainda estava meio perdido em suas idéias. Afinal, esse era a finalidade dele estar se retirando de Otogakure. Para treinar. Só que dessa vez, ele voltaria com uma técnica muito poderosa.

Ela avança com velocidade contra uma árvore, e desfere um golpe vertical. A energia enviada para aquele membro era tão forte, que deu poder cortante parecido com o de uma espada. Cortou a árvore profundamente. Ela andava lentamente em direção ao garoto, e dá a mão a ele, para se levantar, olhando para o estrago que ela mesmo fez, começa a explicação da técnica que iria ensinar.

“Aquilo não foi nada demais. Ele é chamado de As Garras do Falcão dos Céus, e consiste em mover em uma investida ultra veloz, com os braços e pernas com poder cortante. A Energia física tremenda é investida nos ataques, que podem fazer mãos cortarem rocha como faca na manteiga e multiplicar o poder de corte de uma katana a um nível absurdo. A energia cinética dos ataques continua alguns centímetros para além do ninja, então uma esquiva de raspão pode ainda ser perigosa para o defensor, que termina cortado mesmo que escape por pouco - ou bloqueie achando que é um ataque normal.”

Ela sorri, olhando para Sajin.

“Quem domina essa técnica, já tem requisito para ser chamado de herdeiro do nosso fundador, porque essa é uma das técnicas supremas dele. Mas não se assuste com o status da técnica. Eu fiquei apavorada quando comecei o treinamento. E isso acarretou em tempo perdido. Só uns três meses. Acho que se eu não tivesse ficado com medo, teria conseguido em um ou dois dias, no máximo.”

Sajin tenta investir sua energia física por todo o corpo, para realizar tal investida ultra veloz. Sabia que ele não conseguiria tão facilmente. Emiko aprendeu aquele movimento sozinha. O garoto também deveria pensar como se estivesse só, e tentar dividir por etapas, para facilitar o treinamento. Ele fechava os olhos, e tentava sentir toda a sua energia. Tentava fazê-la fluir levemente por todo o corpo, se conseguisse fazer isso, era só controlar o impacto cortante que a técnica teria. E treinar, para não perder o controle, e fazer essa energia durar em uma luta. Não poderia lutar à exaustão com uma técnica dessas. Ele sabia.

Os movimentos que ele fazia eram parecidos com os que tentava no início do treinamento. A concentração dele era tão extrema que chegava a pontos que ele não precisava abrir os olhos para sentir onde Emiko estava. Pura intuição. A calma, a eficácia... tudo era notado pela mulher, que o olhava com um olhar sempre atento, esse ignorado por Sajin, de olhos fechados.

“Vá contra uma árvore, Sajin, e invista toda a sua força com um golpe cortante.”

Ela dizia. E ele, ainda de olhos fechados, o abre lentamente. Nada acontecia com o avanço dele. Apenas um resquício de energia cortante aparece na árvore, com um corte lateral pequeno. Tudo o que ele conseguiu reunir com toda aquela concentração. Ele fica impressionado com a técnica que Emiko dominava. E toda a sua calma e concentração trouxeram apenas um resultado medíocre. Ele fica cabisbaixo. E ela vai até ele.

“Não se castigue assim, garoto. Quando tentei a minha primeira investida, desloquei o punho. E eu falo sério. Está ótimo. Conseguiu dar esboços de um resultado grandioso em pouco tempo.”

Sajin se sentou no chão, de olhos fechados. Depois de alguns minutos, se levanta rapidamente, com movimentos ferozes. Havia concentrado toda a energia física pelo corpo. Mas era uma técnica tão difícil, que ele precisava se acostumar com o uso dessa energia para esse fim. Causou um corte maior na árvore. E cada vez maior. Treinava à exaustão, com a determinação e concentração que lhe era peculiar.

“Eu vou... conseguir!”

Estava ofegante. E Emiko começa a pensar na idéia de parar por algumas horas. Ela tinha tempo para acompanhar a evolução de Sajin, só não sabia se ele levaria tanto tempo quanto ela. Mas algo dizia que ela seria mais forte do que ela. E a intuição dela dificilmente falha. Logo ele se levanta e corre para o ataque, novamente. O corte foi maior, mas ele acaba tombando de cansaço. a garota o ajuda a se levantar.

“Durma. Descanse.”

Ela o leva para a cama, na cabana, e prepara comida para ele, que dormia como uma criança. Após preparar tudo, deixa em uma mesinha de cabeceira, deixando o garoto dormindo. E some. Deixaria aquilo por conta dele. Não poderia ficar mais tempo, logo sentiriam falta dela na vila.

Ficou por lá uma semana inteira. O dia inteiro tentava realizar a técnica. A cada golpe conseguia um progresso gradativo. Isso agradava à Sajin. Nos últimos dias, os cortes ficaram profundos. E já realizava chutes. Tentava golpes até com a Katana, como já foi citado por Emiko, poderia ser usado. E conseguia resultados agradáveis. Sentia que estava quase lá. Quando estivesse com um poder tremendo, tão forte, que poderia cortar rochas com facilidade, ele saberia que estava pronto.

E mais alguns dias foram necessários para isso acontecer. Mas ele precisaria testar aquilo com mais fluência, como se estivesse num combate. Por isso, demorou mais do que havia previsto para voltar. De uma semana, foi para três. E logo seu pai estava lá, para ver se seu filho estava bem. E se deparou com uma cena que o encheu os olhos. Estava completando a técnica. A energia fluía pelo seu corpo, e ele conseguia manter. Mesmo que os ataques não acertassem em cheio, traziam danos para o alvo. Ele sorria.

“Pai, vá para casa, e diga que não tardarei a voltar. Isso ainda precisa de tempo para ser aperfeiçoado. Mas por favor, não diga a técnica que estou aprendendo para ninguém. É segredo.”

“Tudo bem, Sajin-kun. Não demore para voltar. Como seu pai, e membro do clã Hayabusa, estou orgulhoso.”

E ele foi. Mais alguns dias, e estava com a técnica completa. Perfeita. Ele retornou para a vila com esse orgulho em mãos. Mas aquele foi o último resquício de prazer que teve como parte de Otogakure. Logo, ele seria expulso, jogado fora, com o erro de seu pai.

Palavras: 2145
Hidetomo Sajin
Hidetomo Sajin
Mercenário | Rank D+
Mercenário | Rank D+


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [O Falcão Celeste] Treinos de um Guerreiro Honrado

Mensagem por Hidetomo Sajin em Seg Mar 11, 2019 1:01 am

Senshouha
Violento Tremor Destruidor
Rank: B

Uma combinação de técnicas, é o ataque mais tradicional que representa a excelência do estilo. O indivíduo golpeia em combo, causando uma explosão de uma onda de choque no segundo golpe, que manda um oponente atingido pelo primeiro para os ares (caindo e sofrendo danos maiores, ou usado de forma estratégia para, p.ex, derrubar alguém em uma ribanceira ou abismo, ou contra um obstáculo perigoso), e se este esquiva do primeiro o combo não é cancelado - ele ainda recebe a onda de choque, com o mesmo dano que a espada porém de impacto.
Se esta técnica atinge alguém usando uma armadura, o bônus dela no segundo golpe do combo é cancelado: as reverberações da onda de choque passam pela lâmina e atingem quem está dentro da proteção, imediatamente.

Sajin canaliza sua energia e respira fundo uma, duas, três vezes. Ele sorriu e mirou seu corte com a espada de madeira, gigantesca como ele precisava para realizar o estilo, mas Kuromada, seu mentor, o parou no meio do golpe entrando na sala e batendo a espada no chão, também de madeira.

“Está muito ansioso, jovem Sajin. Uma mente fraca, uma espada fraca.” Ele toca a espada de Sajin, ainda em pé, pronta para atacar, fazendo-a cair frouxa no chão, somente sendo segurada por um dos lados com ambas as mãos do garoto. “Vou lhe ensinar a arte mais tradicional de nosso estilo, e espero que você consiga entender a importância de uma mente forte para que a espada fique ainda mais afiada.” Ele demonstra com a espada um círculo e aponta para a cabeça do garoto, como se estivesse enfiando alguma coisa dentro da mente dele.

“O clã Hayabusa possui facilidade com nosso estilo, graças ao poder de acelerar o corpo que vocês possuem. Mas lembre-se garoto, você ainda é um humano como eu, não um tipo de divindade, então precisa de trabalho duro e dedicação para conseguir evoluir mais ainda seus poderes e espírito. Um guerreiro somente é um guerreiro quando atinge o máximo de ambos, e essa técnica é uma representação disso.” Ele atinge com sua espada de madeira um boneco de treinos e o mesmo recebe uma pancada, girando, mas depois uma corrente de energia atinge-o novamente, lançando-o longe. “O poder do corpo e o poder do espírito, não se utiliza chakra, se utiliza puramente sua força para aplicar a técnica, mas exige concentração e capacidade acima da média. Você evoluiu rápido e aprende rápido, faça jus ao nome de nossa escola.”

O movimento foi repassado algumas vezes na mente de Sajin enquanto ele observava seu mentor realizar nova demonstração, mas agora de forma lenta e sem utilizar do segundo corte. Ele criou fórmulas de atingir com precisão o ponto importante no boneco e também desenvolveu métodos de girar com eficiência a espada e tudo isso dentro da sua cabeça antes mesmo de começar o treinamento. Ele era muito empenhado em treinos de Taijutsu, mas principalmente gostava de se aplicar mais e mais para melhorar o próprio estilo de luta. Ele era totalmente focado nisso, e sabia o que precisava para poder ser o melhor shinobi nessa área, que era seu desejo a tempos, sempre buscando mais e mais conhecimento e poder para poder vencer todos os obstáculos.

O treinamento se iniciou com movimentos contínuos sem acerto real no boneco. Sajin queria sentir o balanço da espada e a movimentação necessária para poder realizar a técnica como pretendia. Dessa forma, levou um bom tempo analisando seus erros e procurando onde ele poderia melhorar ainda mais o traçado da técnica, de forma que a espada viesse a ter um balanço, forma e agilidade perfeitos e com plena capacidade. Ele gostava da ideia de ter uma movimentação ágil mesmo com aquela espada gigantesca, e treinou muito a força para poder ter esse tipo de facilidade e utilizar o peso dela ao seu favor, podendo defender até movimentos rápidos de armas pequenas com grande maestria em segundos.  Ele começou a acertar o boneco de madeira com o golpe algum tempo depois, já bem cansado, para sentir o peso do mesmo e tentar calcular em sua cabeça o que precisaria para executar aquela técnica. O boneco girava várias vezes no mesmo lugar enquanto ele batia seguidamente no mesmo, não deixando-o parar com movimentos seguidos e rápidos demais para o pobre construto de madeira. Após um tempo nessa, ele voltou a se acalmar e diminuir o ritmo até finalmente parar para descansar. Era difícil e pesado o treinamento que fazia diariamente, mas aquele era um treino ainda mais pesado, de algo novo e que exigia muito esforço mental além do físico, então tirou um tempo para fazer anotações e descansar, deixando a camisa jogada de lado e a espada apoiada em sua perna.

Ao ver o garoto daquele jeito, seu mentor sentou ao seu lado e deu um tapa no seu ombro.

“Sabe Sajin, eu tive muita facilidade em aprender essa técnica por causa de um ensinamento muito preciso e precioso do meu mentor. Ele me disse que a alma é diferente de pensar com a cabeça, que precisamos utilizar o espírito na espada para executar a técnica. Você pensa muito, calcula muito, mas precisa focar em deixar seus instintos agirem e deixá-los evoluírem você por conta própria. Tente novamente, mas da próxima vez, não pense; sinta.”

Ele saiu da sala e deixou Sajin sozinho com seus pensamentos e seu boneco. O homem tinha razão, ele precisava se soltar, deixá-lo agir por si próprio sem sua cabeça interferindo, então, quase como uma ordem, disse para si mesmo: “Sinta mais, pense menos”, e avançou com espada em mãos, olhos fechados e concentrando-se em sua arma. Ele executou o movimento às cegas e soltou toda a sua energia naquele movimento, ganhando força a cada centímetro que a espada avançava. Não viu o resultado, mas sabia que ainda faltava, então abriu os olhos e avançou com velocidade, soltando todo o peso da madeira com a força acumulada de anos de treinamento de uma única vez, liberando toda essa vontade de uma vez só e a espada atingiu a madeira, e então uma onda a atingiu também, em seguida, e a fez avançar alguns centímetros. Era isso, precisava ampliar esse poder.

As horas avançavam rapidamente enquanto ele continuava lutando contra sua mente para liberar sua energia total e real, até que finalmente a lâmina cortante se libertou da espada de madeira e atingiu o boneco com força total, lançando-o longe com grande impacto. Seu mentor entrou lentamente na sala e sorriu, demonstrando grande animação com o aprendizado do garoto.

“Você tem muito potencial, jovem Sajin. Sinto que está pronto para aprender nossas técnicas mais secretas. Vou te mostrar alguns ensinamentos básicos de luta antes e então vamos avançar para o último nível do que posso lhe ensinar, e deixarei que aprenda mais por si próprio.” E com isso, Sajin foi aceito como o próximo mestre do estilo, onde finalmente poderia aprender as técnicas secretas finais; mas por hora, precisaria aprender a lutar de outras formas além da arte da espada, além da arte de cortar.

Palavras: 1050
Hidetomo Sajin
Hidetomo Sajin
Mercenário | Rank D+
Mercenário | Rank D+


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [O Falcão Celeste] Treinos de um Guerreiro Honrado

Mensagem por Hidetomo Sajin em Seg Mar 11, 2019 1:49 am

Wankusshon
Amortecer Golpe
Rank: D

Movimento básico de artes marciais que um lutador deve conhecer. Um rolamento feito mesmo fora de sua ação, após receber um golpe de impacto com taijutsu ou outra fonte, que reduz o dano de um golpe em meio rank antes de calcular a defesa pela Resistência. Utilizado quando não se conseguiu defender-se e para minimizar o estrago.

Sajin foi pego pelo braço e lançado para longe com um movimento de arremesso muito bem feito. Foi instruído que girasse ao tocar o chão para ver a diferença que fazia uma boa queda comparada com uma queda forçada e dolorosa no chão. Claro que pela falta de experiência e conhecimento, ele caiu igual pedra e doeu um bocado bem grande o ombro dele na tentativa de rolar, mas rolou é por cima do braço; dois dias de recuperação.

“Você não está entendendo o conceito do treinamento Sajin. Você precisa entender de onde vem a força que te lançou, como você cairá no chão e então preparar a forma de movimentação para espalhar o dano para o chão e tirar de você. É tipo quando você soca alguma coisa acolchoada; o impacto espalha ao invés de focar em um ponto só, e por isso não dói nem sua mão, nem rasga a almofada, quanto mais duro, mais fácil de quebrar do que algo mole. Já viu alguém quebrando água? O conceito aqui é cair de forma que o impacto atinja de forma mais leve o seu corpo e seja perdido no chão. Vamos tentar de novo, mas sem se machucar dessa vez.”

Sem perguntar duas vezes, o homem pegou o garoto e lançou longe com um movimento rápido de investida, pegou o garoto pelo braço, puxou para perto de si e lançou-o novamente para o chão. Sajin agora estava esperto e percebeu com cálculos rápidos da direção do seu corpo e do lançamento exatamente o que o homem quis lhe dizer. Diferente do último ensinamento, ele não precisava dessa vez de instinto, mas do que ele era melhor, de calcular movimentação corporal usando seus conhecimentos marciais por tanto tempo adquiridos. Ele focou no ponto principal da sua queda, em como o movimento poderia ser feito e se lançou com velocidade, mas reduzindo a força e girando lentamente ao contato com o chão, o que fez seu corpo doer, mas não como na última tentativa, e ele poderia continuar lutando.

“Muito bem, mas ainda parece estar doendo, não é mesmo? Vamos tentar mais uma vez!” E avançou com força e velocidade, pegando novamente Sajin e lançando para trás, em um movimento diferente. Ele girou como uma bola de costas no chão e se levantou de vez, olhando para seu mestre que se sentiu desafiado. Buscou novamente agarrar o garoto que se livrou do primeiro, mas acabou sendo pego pelo segundo e lançado longe para a direção contrária, mas ele fez um movimento aéreo rápido e girou no ar, no chão e então parando com um joelho no chão e um pé fixo. Virou-se voltando a ficar de pé e novamente foi pego pelo mentor que voltou a lançá-lo de novo, e de novo, e de novo…

Algum tempo depois, cansado e todo machucado, Sajin pediu para pararem, mas sem mestre já sabia que estava feito, estava pronto; só queria mesmo ver até onde o garoto iria, e parece que ele foi realmente muito bem; ele parecia orgulhoso enquanto ria do estado todo machucado de Sajin, cansado e jogado em um canto.

Palavras: 520
Hidetomo Sajin
Hidetomo Sajin
Mercenário | Rank D+
Mercenário | Rank D+


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [O Falcão Celeste] Treinos de um Guerreiro Honrado

Mensagem por Hidetomo Sajin em Seg Mar 11, 2019 2:26 am

Tsukikage
Luz do Luar
Rank: D

Técnica criada por Uchiha Sasuke.
Ao fintar com sua arma, o usuário finca ela no chão, usa como apoio para se balançar e chutar seu oponente, visando o pescoço.

Dessa vez iriam treinar em um chão de terra, fora do Dojo, em um local separado próximo ao centro de treinamento padrão dos aprendizes do estilo, e com espadas de verdade, o que deixava Sajin empolgado e preocupado; não queria machucar ninguém e nem se machucar, não era uma luta de verdade. Mas logo entendeu o conceito da técnica que iria aprender e acabou por ficar despreocupado. O movimento de seu mentor foi rápido e preciso, ele aparou um golpe com facilidade, vindo de cima para baixo, mas ao rebater a arma para o lado o ancião cravou a lâmina no chão e apoiou o corpo nela, usando-a como uma forma de se lançar contra o garoto e atingindo-o com um chute no rosto, que o fez voar longe e perder a espada.

“Simples, não? Essa técnica foi desenvolvida no passado para usar uma arma muito menor do que a nossa, mas graças ao tamanho e peso da nossa espada, podemos utilizá-la ainda melhor, ganhando mais espaço e podendo completar com essa finta até mesmo um golpe falho que pretendia ser mortal, sem precisar ser específico para esse fim. Veja aplicações para ela no futuro, por hora, vamos aprender a utilizar a espada desse jeito, que é bem cômodo.” Ele deixou Sajin o atacar como quisesse, sem restringir a criatividade do garoto por causa do treino; na verdade ele gostaria de ver o que ele poderia fazer.

Sajin iniciou os movimentos fincando a espada na terra e apoiando-se sobre ela. Ele era leve, e a espada estava bem fincada, então conseguiu apoiar-se e ficar de cabeça para baixo com uma das mãos na empunhadura, verificando a força do braço e o que poderia fazer com aquela lâmina do jeito que estava. Então dobrou um pouco o braço e jogou-se para cima, girando no ar e caindo com um pé sobre a espada. Após esse teste e demonstração de capacidade marcial, ele recolheu a lâmina e atacou seu mentor com um corte lateral, que foi desviado com facilidade, mas ele abaixou a espada com velocidade e a cravou de lado, usando-a de apoio para chutar para frente na direção de seu mestre, mas não ganhou grande vantagem com isso. Entretanto, após o homem desviar com facilidade, ele pisou fortemente no chão e sacou a espada com velocidade, retirando-a da terra e mirando um golpe de cima para baixo que o homem quase se viu atingido. Surpreso, ele não notou a espada novamente presa no chão, e o garoto usando-a como usaria a um poste, para girar de lado e acertar-se um chute no rosto. Foi um movimento interessante.

Os golpes de Sajin se conectam enquanto ele entendia cada vez melhor o conceito da técnica, ele fincou a espada, usando algum chute ou joelhada e voltava a atacar com a lâmina seguidas vezes de tal forma que até seu mestre, mais habilidoso e com muito mais experiência do que o garoto em combate, estava caindo em alguns dos golpes, e já havia sido atingido três vezes quando parou um chute do garoto com a mão e derrubou-o, alegando que estava bom por hoje. Ambos estavam muito orgulhosos do resultado, mas o Hayabusa estava ainda mais feliz por ter finalmente acertado seu mestre sem ele deixar. Foi um avanço importante para seu treinamento.

Palavras: 550
Hidetomo Sajin
Hidetomo Sajin
Mercenário | Rank D+
Mercenário | Rank D+


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [O Falcão Celeste] Treinos de um Guerreiro Honrado

Mensagem por Hidetomo Sajin em Seg Mar 11, 2019 2:44 pm

Dynamic Action
Ação Dinâmica
Rank: D

O usuário salta para perto do seu inimigo, e quando estiver muito próximo deste, dá-lhe um repentino pontapé.

Após tanto utilizar sua espada, Sajin se viu obrigado a deixa-la de lado e preparar as pernas em alongamento novamente; aparentemente seria algum tipo de chute novo, e ele não precisaria do peso adicional da arma por hora para atrapalhar seu aprendizado mais um pouco. Já seria difícil conforme informado por ser uma técnica que exigia muita movimentação e velocidade, mas utilizando força muscular para chegar ainda mais rápido em um lugar já com um golpe. Diferente da técnica de movimentação instantânea de seu clã, nessa técnica ele utilizava força física acima de uma habilidade especial, logo poderia trocar a direção do avanço ou se posicionar após a movimentação com mais facilidade, mesmo sendo bem mai lenta do que a técnica original de movimentação desenvolvida pelo seu clã.

"Precisa concentrar-se no seu alvo e avançar com força, não com habilidade, como um impulso rápido e preciso. Poderá se mover antes do golpe final, mas a técnica é mais poderosa se optar por causar algum dano. Aconselho um chute, a força envolvida será maior, mas se quiser matar pode tentar usar a espada, mesmo com o peso adicional tirando um pouco da capacidade de investida da técnica." Seu mentor acelerou como um raio e atingiu com um chute voadora reto uma árvore, cravando seu pé em na casca da mesma, partindo-a e tendo alguma dificuldade para retirar de lá sua perna presa.

O garoto se interessou pela velocidade e força do golpe, ganhando a iniciativa de avançar contra a mesma área atingida pelo seu mentor para causar dano maior como ele achava que conseguiria, mas foi um chute normal, com força e velocidade normal. "É como uma movimentação rápida, quase como um voo do falcão, só que aproveitando essa força cinética ao invés de lançar tudo no golpe final para evoluir sua movimentação ", ajudou seu sensei, e ele tentou explodir sua energia em velocidade e canalizar tudo para um impulso só, com grande velocidade. Realmente melhorou, e ele acelerou em um instante muito mais do que normalmente correria, mas era só um movimento de combate, como ele notou, a impressão de aceleração não era real, mas era poderosa.

Ele sentia seu corpo leve enquanto se movia, o que agradava muito sua percepção de força, e sentia que a força aplicada era maior do que a média de seus chutes comuns, mas queria ainda mais. Acelerava e buscava mais e mais força. Entendeu que o ponto não era a aceleração, mas sim o movimento da chegada, e em como poderia utilizar aquela velocidade para causar dano. Era mais o golpe do que a movimentação. Conforme seu mentor, a técnica de aceleração pura eles aprenderiam em seguida, mas por hora, ele precisava causar grande dano para depois unir os dois. E assim, Sajin continuou aprimorando seus movimentos para causar dano até que finalmente ele cravou o pé na árvore com força, tendo grande dificuldade em retirar. Seu mentor disse que a próxima técnica que aprenderiam poderia derrubá-la e ele ficou muito empolgado, mas no momento só conseguia pensar em tirar seu pé dali.

Palavras: 510
Hidetomo Sajin
Hidetomo Sajin
Mercenário | Rank D+
Mercenário | Rank D+


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [O Falcão Celeste] Treinos de um Guerreiro Honrado

Mensagem por Hidetomo Sajin em Ter Mar 12, 2019 3:37 pm

Maximum Entry
Entrada Máxima
Rank: C



Exige conhecer Dynamic Entry. Versão mais poderosa deste jutsu que pode finalizar um oponente antes de começar o combate, caso lhe acerte com força suficiente.

Agora sim velocidade seria essencial. Sajin viu a demonstração de seu sensei, pasmo, observando a velocidade absurda do movimento e o como a árvore foi derrubada e ainda chutada de volta para o outro lado com tanta velocidade que o garoto teve que se esquivar rapidamente para não ser esmagado pela mesma. Era um movimento absurdamente poderoso, capaz de causar grande estrago. Muito grande mesmo, afinal a árvore também era muito grande. Mas com toda essa agitação e poder, Sajin somente pôde ficar boquiaberto sem conseguir pensar no que precisaria fazer para conseguir tal proeza. E falando em proeza, ele podia até ser considerado genial em Taijutsu para sua idade, mas aquilo ali parecia muito complexo. Mal sabia ele que já havia aprendido coisa muito melhor.

“Ouvi dizer que você aprendeu o Hayabusa no Unkou, Goren (Vôo do Falcão Peregrino, Série Cinco), estou certo?” Só a menção à técnica lhe deixou nervoso, sua prima quem havia lhe ensinado, e ela era um demônio de mulher. “Então essa técnica vai ser bem mais simples. Ela chega a ser menos impactante até do que a Sanren (Série Três), que pode criar imagens ilusórias com movimentação ultra rápida, mas a diferença é que é um golpe e não uma esquiva e ilusão. É poderosa, entretanto, e pode finalizar alguém antes mesmo de começar uma luta.” E então informou o básico sobre a aceleração, e a diferença de uma das técnicas do Shinsoku (Velocidade Divina ou Sopro de Deus), sua Kekkei Genkai, e o como fazer isso usando musculatura e não implementação genética. De certa forma, a implementação genética era a musculatura, então ele nunca conseguiria fazer um se diferir do outro, mas foi o bastante para ele entender como seu mentor conseguia fazer tudo isso sem fazer parte do seu clã. E agora ele finalmente iria iniciar o treinamento, separando-o em partes como seu mentor lhe instruiu.

Era fácil para ele acelerar, mas era difícil se controlar, e esse seria um passo importante para sua evolução pessoal. Ele não poderia parar a técnica do clã por ser quase um teleporte de tão rápido que era, mas poderia se ajustar à velocidade e atingir alguém já com possibilidade de recuar. Poderia ser muito útil para ele ter essa evolução de conhecimento e capacidade, até mesmo para suas técnicas relacionadas ao clã Hayabusa. Ele retirou o peso adicional das roupas (manto, ombreiras, abotoaduras, tudo que o deixava arrumado, e era desnecessário para um combate), ficando só de camiseta e calça.


“Bem, agora que está pronto, precisa acelerar o corpo, mas sem ultrapassar o limite físico comum. Para ter certeza, tente mirar ao lado da árvore e realizar uma curva, ai saberá que não ultrapassou o limite da técnica, indo para algo além.” Interessante abordagem, e é claro que ele demoraria muito tempo para conseguir diferenciar uma aceleração da outra, então por horas treinou de forma errada, buscando ir acertando aos poucos até que finalmente conseguiu o primeiro acerto, onde ele fez uma pequena curva, atingindo a árvore com um chute rápido. A aceleração foi intensa, mas não tão rápida a ponto de não entender nada até ser tarde demais, então ele sabia que agora poderia avançar com tudo já chegando com um chute rápido. Ele saltou em gigantesca velocidade, mirando a árvore e acelerou até onde podia e queria e então atingiu a mesma com grande força, arrancando uma parte da casca. Havia errado a mira, e isso ele também teria que aprimorar para poder conseguir atingir a perfeição da técnica; mirar um pulo reto para acertar um chute ainda mais reto.

Agora que conseguia realizar a técnica, enquanto praticava precisão, também praticava utilizar o movimento de retorno que seu mentor fez, buscando acertar duas vezes a árvore e arrancar um pedaço da mesma, ou a derrubar como o mestre realizou tão facilmente. A técnica era menos poderosa do que parecia com seu mentor, graças à força superior dele, mas ainda assim era um golpe destruidor e Sajin não era fraco, era impressionante sua força para a idade que possuía. Seus movimentos eram rápidos, e ele cada vez mais ajustava sua velocidade e mira para se adaptarem ao que seu mestre queria que ele fizesse, e o que a técnica exigia. Claro que era difícil mesmo para ele realizar tal feito por tanto tempo, e teve que descansar um ou outro momento, mas graças ao impulso de força e poder que possuía acima da média, ele continuava treinando quando outros já estariam cansados. Agora era só atingir a árvore em cheio e… Agora sim, uma pancada de verdade!

O som de despedaçar da madeira foi lindo aos ouvidos de Sajin, que na volta ainda a lançou para trás, derrubando-a por inteiro. O professor ficou orgulhoso enquanto Sajin se erguia, pleno e calmo como se nada tivesse acontecido. Com certeza ele sabia como se portar, mas era engraçado para o velho mestre ver o garoto daquele jeito.

Palavras: 821
Hidetomo Sajin
Hidetomo Sajin
Mercenário | Rank D+
Mercenário | Rank D+


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [O Falcão Celeste] Treinos de um Guerreiro Honrado

Mensagem por Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum